Meteorologia

  • 19 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 14º MÁX 21º

Economia brasileira cresce 4,6% em 2021 e compensa queda do ano anterior

A economia no Brasil cresceu 4,6% no ano passado, resultado que permitiu ao país recuperar da queda histórica sofrida em 2020 devido à pandemia de covid-19, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Economia brasileira cresce 4,6% em 2021 e compensa queda do ano anterior
Notícias ao Minuto

14:44 - 04/03/22 por Lusa

Economia Brasil

O resultado compensou o colapso do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2020, quando a economia brasileira caiu 3,9%, registando o maior recuo em 24 anos, após a indústria e o comércio terem ficado paralisados por vários meses devido às restrições impostas para conter a propagação do coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19.

Os dados do órgão responsável pelas estatísticas do Governo brasileiro indicam que o PIB aumentou em 2021 face a 2020, impulsionado principalmente pela recuperação do setor de serviços, que cresceu 4,7% na comparação ano a ano, e da indústria (4,5%), que juntos representam 90% da produção de riqueza no país.

O setor agropecuário, que iniciou o ano com resultados positivos devido aos elevados preços das matérias-primas, encerrou 2021 com queda de 0,2%.

O PIB totalizou 8,7 biliões de reais (1,5 biliões de euros) em 2021.

Entre outubro e dezembro do ano passado, a economia brasileira cresceu 1,6% face ao mesmo período de 2020.

Na comparação entre o terceiro e o quarto trimestre do ano passado houve um crescimento de 0,5%, dado que retirou o Brasil da condição de recessão técnica em que estava desde setembro, após registar dois trimestres consecutivos de retração económica.

Em 2021 o consumo das famílias brasileiras avançou 3,6% e o consumo do Governo subiu 2%. No ano anterior, esses componentes haviam recuado 5,4% e 4,5%, respetivamente.

Em relação ao PIB per capita, o IBGE indicou que teve um avanço de 3,9% no ano passado em relação a 2020 em termos reais, ou seja com a inflação já descontada, chegando a 40.688 reais por ano (7,355 euros).

Os investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) avançaram 17,2%, favorecidos pelo setor de construção, que no ano anterior teve uma queda, e pela produção interna de bens de capital.

A taxa de investimento no Brasil subiu de 16,6% para 19,2% em um ano. Já a taxa de poupança foi de 17,4% face à medida de 14,7% registada em 2020.

Leia Também: Bolsonaro anuncia que Brasil estuda classificar Covid-19 como endemia

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório