Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2022
Tempo
14º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

"Não vejo grande margem de manobra para descidas de impostos"

O ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos defende que o país não tem "grande margem de manobra" para descer a carga fiscal, defendendo que repor o equilíbrio orçamental deve ser a prioridade.

"Não vejo grande margem de manobra para descidas de impostos"

"Não vejo grande margem de manobra para descidas de impostos e vejo também necessidade de haver alguma prudência nesse domínio", disse hoje em entrevista à Lusa.

Quando questionado sobre se uma redução dos impostos nos próximos três a quatro anos seria possível, Teixeira dos Santos afirmou não ver "grande margem de manobra", porque o país atingiu "em 2019 uma situação de equilíbrio orçamental, que, entretanto, se desfez por causa das consequências que a pandemia teve sobre a economia e também sobre as finanças públicas".

O ex-governante defendeu ser importante melhorar o desempenho orçamental "para criar condições para que isso seja possível", considerando que uma redução da carga fiscal, "é bom para o investimento e para o trabalho dos portugueses".

"Acho que a prioridade que temos que ter é a de repor esse equilíbrio orçamental. É importante que o equilíbrio orçamental seja reposto. Primeiro para assegurar que a poupança suficiente para o investimento na economia e segundo para assegurar condições de estabilidade financeira ao país", justificou.

Em entrevista à Lusa, a propósito do lançamento do livro "Mudam-se os tempos, mantêm-se os desafios", publicado pela Bertrand Editora, o antigo governante recordou a crise financeira que levou a intervenção da Troika, para defender que "ficou bem evidente a influência e a importância que a situação das finanças públicas tem no domínio financeiro e na estabilidade financeira do país".

"É importante, principalmente, adotar políticas que fomentem o crescimento económico, porque se a economia crescer melhoramos a cobrança fiscal e melhorando a cobrança fiscal, então, aí sim podemos ganhar esse espaço necessário para a redução dos impostos", disse.

No entanto, destacou também a importância da previsibilidade do quadro fiscal.

"É preciso que as pessoas possam saber com o que contar nesse domínio. Isso é muito importante para tomar decisões. Tem que se saber o que se pode esperar no futuro em termos dos encargos que vai ter que suportar com o Estado a este nível. Isto é fundamental", disse.

Fernando Teixeira dos Santos foi ministro de Estado e das Finanças, entre 2005 e 2011, tendo sido o responsável pelo pedido de ajuda externa de Portugal aquando da crise económica e financeira. Entre diversos cargos, entre 2000 e 2005, foi também presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), tendo sido entre 2016 e 2020 presidente da Comissão Executiva do Eurobic.

Leia Também: São precisos mais de 290 anos para igualar produtividade da zona euro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório