Meteorologia

  • 21 MAIO 2022
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 25º

Câmara de Lisboa prevê orçamento de 1,16 mil milhões de euros

A Câmara de Lisboa prevê um orçamento de 1,16 mil milhões de euros para este ano, uma despesa "muito alinhada" ao previsto no ano anterior (1,15 mil milhões), anunciou hoje o vice-presidente da autarquia, Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP).

Câmara de Lisboa prevê orçamento de 1,16 mil milhões de euros
Notícias ao Minuto

18:26 - 05/01/22 por Lusa

Economia Lisboa

"O orçamento prevê uma despesa de 1.160 milhões de euros, é uma despesa muito alinhada com aquela que estava prevista também em 2021", afirmou o também vereador das Finanças, na apresentação da proposta de orçamento municipal de Lisboa para 2022, que decorreu nos Paços do Concelho.

Este é o primeiro orçamento municipal de Lisboa do atual mandato, 2021-2025, sob a presidência do social-democrata Carlos Moedas, que governa sem maioria absoluta.

Em termos de receitas em 2022, o município estima arrecadar 1.028 milhões de euros, dos quais 791 milhões de euros em receitas correntes, 234 milhões de euros em receitas de capital e três milhões de euros em outras receitas, indicou Filipe Anacoreta Correia.

Em termos de desagregação das receitas correntes, "os impostos diretos constituem a grande fatia da receita do orçamento municipal", com um total de 458,6 milhões de euros, que inclui com "uma expressão maior" o Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), no valor de 230 milhões de euros; o Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI), no montante de 125 milhões de euros; a derrama, com 85 milhões de euros; e o Imposto Único de Circulação (IUC), com 19 milhões de euros.

"São os impostos sobre o património aqueles que representam a fatia maior das contas das receitas, do financiamento da atividade do município", reforçou o responsável pelo pelouro das Finanças.

Relativamente às despesas em 2022, as correntes estimam-se em 734,5 milhões de euros e as de capital em 425,5 milhões de euros, segundo os dados apresentados pelo autarca.

Anacoreta Correia indicou que nas despesas correntes se verifica que "as despesas com pessoal constituem uma componente muito relevante, como não podia deixar de ser, dado o universo também dos recursos humanos da cidade de Lisboa", no valor de 283,2 milhões de euros, seguindo-se a aquisição de bens e serviços, com 179,2 milhões de euros; transferências correntes (150,6 milhões de euros); subsídios (100,2 milhões de euros); outras despesas correntes (19 milhões de euros); e juros e outros encargos (2,3 milhões de euros).

Quanto às despesas de capital, "a aquisição de bens de capital constitui claramente a expressão maior, com 348,2 milhões de euros", apontou o vice-presidente da autarquia.

Sob a liderança do PS, a Câmara de Lisboa aprovou o orçamento municipal para 2021, de 1,15 mil milhões de euros, menos 11% em relação ao ano anterior (1,29 mil milhões), com os votos favoráveis do PS e do BE (com quem os socialistas tinham um acordo de governação do concelho) e os votos contra das restantes forças políticas (CDS-PP, PSD e PCP).

Com o orçamento municipal para 2021, a câmara previu obter uma receita total (corrente e de capital) de 900 milhões de euros, menos 48,1 milhões (5,1%) em relação a 2020, ano em que a receita estimada era de 948,1 milhões de euros, segundo informação apresentada pela autarquia.

Por outro lado, o município estimou uma despesa corrente de 549,4 milhões de euros para 2021, menos 60 milhões de euros em relação a 2020, e uma despesa de capital de 350,6 milhões de euros, mais 11,9 milhões de euros em relação a 2020.

Nas eleições autárquicas de 26 de setembro, Carlos Moedas foi eleito presidente da Câmara Municipal de Lisboa pela coligação "Novos Tempos" (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), que conseguiu 34,25% dos votos, retirando a autarquia ao PS, que liderou o executivo autárquico da capital nos últimos 14 anos.

Fernando Medina tinha-se recandidatado pela coligação "Mais Lisboa" (PS/Livre).

A coligação "Novos Tempos" conseguiu sete vereadores, a coligação "Mais Lisboa" obteve também sete vereadores, a CDU (PCP/PEV) dois e o BE conseguiu um mandato.

Leia Também: PSI20 cai 0,31% com EDP Renováveis a liderar descidas pelo segundo dia

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório