Meteorologia

  • 18 JULHO 2024
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 33º

Governo vinca importância da formação e literacia financeira

Os secretários de Estado Adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, e Adjunto e da Educação, João Costa, vincaram hoje a importância da formação financeira nas respetivas áreas.

Governo vinca importância da formação e literacia financeira
Notícias ao Minuto

14:44 - 26/11/21 por Lusa

Economia Literacia financeira

"Sendo as qualificações um fator de desigualdade estruturante, é muito importante conseguir que esse fator de desigualdade, e outros que lhe estão associados, não sejam ainda reproduzidos pela maior exposição a riscos de tipo financeiro e por ausência de literacia financeira", salientou Miguel Cabrita.

O governante da área da Segurança Social falava no encerramento da conferência do Plano Nacional de Formação Financeira 2021-2025, que decorreu hoje no Museu do Dinheiro, em Lisboa.

As orientações estratégicas do plano foram hoje apresentadas e ficarão disponíveis para consulta no 'site' todoscontam.pt, prosseguindo os dez anos de articulação no projeto entre as entidades que fazem parte do CNSF: Banco de Portugal, Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aliadas a vários parceiros institucionais, como os ministérios.

O secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, alertou que "a digitalização também comporta alguns riscos, e esses riscos têm uma tradução muito direta, porventura, numa possibilitação eventualmente excessiva do recurso a crédito por via dos produtos que são disponibilizados digitalmente, designadamente pelas instituições de crédito".

O governante já tinha sinalizado, na sua intervenção, que "ao nível da digitalização impõem-se grandes desafios na política pública de defesa do consumidor", precisamente "ao nível do consumo de produtos financeiros".

João Torres disse ainda que também "importará, porventura, dar um conhecimento mais reforçado" sobre produtos financeiros associados à sustentabilidade, assunto que hoje "é uma demanda dos consumidores, dos cidadãos, cada vez mais vincada".

Também o secretário de Estado Adjunto e da Educação, João Costa, interveio no encerramento, dizendo que a formação financeira se inclui na agenda dos direitos humanos, no caso "na recusa do sobreendividamento, a recusa da prisão dos que vendem impossíveis e iludem os consumidores como se tudo fosse fácil".

Assim, a literacia financeira confere "liberdade, sobrevivência, capacidade de autogestão e de autorregulação" às pessoas, tendo o governante apontado ainda à questão das desigualdades económicas.

"Não é apenas a capacidade de poupar em abstrato, é também quanto é que tenho no fim de cada mês para conseguir poupar", frisou.

João Costa terminou a sua intervenção citando Aristóteles: "As pessoas dividem-se entre aquelas que poupam como se vivessem para sempre e aquelas que gastam como se fossem morrer amanhã".

Leia Também: Madeira não aplica semana de contenção em janeiro

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório