Meteorologia

  • 28 MAIO 2022
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 26º

Angola rejeita acelerar plano de aumento faseado da produção de petróleo

O ministro dos Recursos Minerais e Petróleo de Angola e presidente da Conferência dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) rejeitou hoje os pedidos dos consumidores para um aumento mais rápido da produção petrolífera por parte do grupo.

Angola rejeita acelerar plano de aumento faseado da produção de petróleo
Notícias ao Minuto

15:30 - 31/10/21 por Lusa

Economia Crise/Energia

"Muitos países e fornecedores estão a pedir mais petróleo e estar a pedir à OPEP+ [grupo da OPEP e mais produtores que representam cerca de 70% da produção mundial] para aumentarem a produção petrolífera", disse Diamantino Azevedo, numa declaração citada pela agência de informação financeira Bloomberg, rejeitando, no entanto, esses pedidos.

"Na minha modesta opinião, o plano atual de aumentar a produção em 400 mil barris por dia é adequado e não há necessidade de o alterarmos", disse o ministro, apoiando as declarações públicas dos últimos dias do Azerbaijão e Arábia Saudita.

Nas últimas semanas, os países consumidores de petróleo têm andado cada vez mais preocupados com a subida do preço do petróleo, que veio desde os 50 dólares por barris até mais de 85 atualmente, com o Presidente da Rússia a admitir que os 100 dólares por barris não era um cenário descabido.

Com a subida da inflação a empurrar vários bancos centrais para aumentarem as taxas de juro, países como os Estados Unidos da América, Índia e Japão estão a fazer uma intensa pressão diplomática sobre o cartel para que, na reunião de quinta-feira, aprovem um aumento da produção na esperança de conter ou abrandar a subida dos preços.

De acordo com fontes da energia contactadas pela Bloomberg, uma eventual aceleração da subida da produção de petróleo para acima do atual plano de aumento de 400 mil barris por dia, eventualmente acertada na reunião de quinta-feira, não faria os preços da eletricidade descer.

De acordo com esta visão, a OPEP+ está a ser usada como bode expiatório de uma crise que não criaram, porque o problema não é o petróleo mas sim a subida dos preços do gás natural e do carvão, que inflacionou o custo da eletricidade para os consumidores.

Leia Também: Produção de petróleo e gás no pré-sal brasileiro bate recorde em setembro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório