Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Agência nega diminuição do abastecimento de combustível no Brasil

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) do Brasil afastou a possibilidade de diminuição do abastecimento de combustível no país, um dia depois de a petrolífera Petrobras admitir não ter capacidade para responder à procura em novembro.

Agência nega diminuição do abastecimento de combustível no Brasil
Notícias ao Minuto

06:22 - 20/10/21 por Lusa

Economia ANP

"Não há indícios de desabastecimento no mercado nacional de combustíveis neste momento", disse a ANP, num comunicado divulgado na terça-feira e diante das dúvidas que surgiram sobre a possibilidade da oferta da estatal Petrobras ser insuficiente para atender a procura dos distribuidores.

A agência reguladora acrescentou que "continuará a monitorizar a cadeia de abastecimento" e "adotará, se necessário, medidas para mitigar desvios e reduzir riscos".

Na segunda-feira, a Petrobras, maior empresa do Brasil e responsável por grande parte dos combustíveis consumidos no país sul-americano, admitiu que as encomendas de gasolina e diesel das distribuidoras para novembro superam significativamente as dos meses anteriores e a própria capacidade de produção.

A estatal acrescentou que, nos últimos anos, o mercado brasileiro foi abastecido pela produção própria e pelos combustíveis importados pelas distribuidoras, e essa oferta conjunta foi suficiente para a procura interna.

A companhia esclareceu que as distribuidoras, aparentemente, aumentaram as encomendas à Petrobras, cujos preços estão abaixo do mercado internacional, e reduziram os pedidos a empresas de outros países.

"Apenas com muita antecedência", a Petrobras conseguirá responder a essa procura atípica. "Na comparação com novembro de 2019, a demanda dos distribuidores por diesel aumentou 20% e por gasolina 10%, representando mais de 100% do mercado brasileiro", adiantou a estatal.

A petrolífera indicou ter operado, no primeiro semestre de 2021, com 79% da capacidade de refino, percentagem superior à média de 2019 (77%) e 2018 (76%). Em outubro, encontra-se a operar com 90% da sua capacidade de produção, acrescentou.

A estatal sugeriu às distribuidoras a importação de volumes que a empresa não terá condições de atender, apesar de os preços dos combustíveis no exterior serem superiores.

A Associação das Distribuidoras de Combustíveis Brasilcom, que representa mais de 40 distribuidoras regionais de combustíveis, disse que a petrolífera brasileira avisou diversas associadas sobre "uma série de cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento de gasolina e diesel" para novembro.

Para a associação, "as reduções promovidas pela Petrobras, em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para compra, colocam o país em situação de potencial desabastecimento", uma vez que as empresas não estão a conseguir comprar combustíveis no mercado externo devido aos elevados preços praticados.

"Atualmente existem dezenas de empresas registadas na ANP autorizadas a importar combustíveis. Portanto, essa procura adicional pode ser absorvida pelos demais agentes do mercado", sugeriu a Petrobras, em comunicado, insistindo para que as distribuidoras reduzam as margens de lucro e garantam as necessidades do país com combustíveis importados.

Leia Também: Como vão evoluir os preços dos combustíveis nos próximos meses?

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório