Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Vila Galé quer trazer 150 trabalhadores do Brasil para colmatar falta

O presidente do Vila Galé afirma que o grupo continua a debater-se com a falta de recursos humanos na hotelaria, construção e agricultura, prevendo contratar 300 jovens à procura do primeiro emprego e trazer 150 trabalhadores do Brasil.

Vila Galé quer trazer 150 trabalhadores do Brasil para colmatar falta
Notícias ao Minuto

10:24 - 17/10/21 por Lusa

Economia Hotelaria

Em declarações à Lusa, Jorge Rebelo de Almeida diz que este ano houve efetivamente mais dificuldades de recrutamento para funções operacionais nas unidades e que, assim sendo, no início de 2022 o grupo vai iniciar um plano de recrutamento que deverá incluir várias iniciativas desde o recrutamento de jovens à procura do primeiro emprego, programa de estágios curriculares e programas de intercâmbio Portugal-Brasil.

"O importante neste momento, para que no próximo ano possamos estar já a trabalhar em força, é conseguir que as pessoas fiquem no seu posto de trabalho. No caso do Vila Galé estamos a pensar iniciar um plano para contratar jovens à procura do primeiro emprego, dar-lhes formação, e esperamos que com o apoio do IEFP. Achamos também que é fundamental dar formação às pessoas até março", afirmou o presidente da cadeia hoteleira em declarações à Lusa.

Apesar de "não ter havido despedimentos" no grupo durante a crise pandémica, o responsável lembra que, no ano passado, os contratos a prazo não foram renovados.

"Não havia expectativas de quando é que poderíamos voltar a precisar das pessoas. Mas, hoje precisamos de gente para trabalhar e há falta de pessoas", afirma, acrescentando ter perceção de que houve muitos trabalhadores a mudarem de atividade.

"Nós sempre tivemos uma política de manter os trabalhadores fixos porque a melhor garantia que as empresas podem ter é ter 'brigadas' de pessoas fixas, integradas na empresa, porque o serviço melhora muito", justifica.

"Por incrível que pareça, pessoas quer tínhamos a trabalhar connosco, com o início da pandemia, começaram a ficar muito preocupadas e foram trabalhar para outros ramos e nós na Vila Galé temos três frentes: a construção, a hotelaria e a agricultura. Em qualquer uma das três há hoje uma quebra tremenda de pessoal e é, por isso, que vamos dar formação e estamos a programar ir contratar no Brasil (...) Nós, embora numa escala muito menor, já fazemos esse intercâmbio", acrescenta Rebelo de Almeida.

O responsável justifica esta última medida com o facto de o grupo ter 10 hotéis no Brasil e de os dois mercados estarem em contraciclo, já que agora lá adivinha-se "a temporada alta".

Para além da mudança da atividade, o presidente do Vila Galé acredita também que muitas das pessoas que ficaram sem trabalho e que foram para os centros de emprego, quando foram necessários, "não quiseram estar a interromper o subsídio para virem trabalhar dois ou três meses (no verão, por exemplo)", sabendo que provavelmente "em outubro poderiam não ter trabalho".

Acresce que nos setores da hotelaria "há muita gente emigrada em Inglaterra e na Alemanha, Luxemburgo" e, sublinha, "fazem cá falta".

Questionado sobre o número de trabalhadores a abranger neste intercâmbio para Portugal, diz que precisam de "150 pessoas".

Atualmente, o número de trabalhadores é aproximadamente de 1.100 em Portugal e cerca de 1.400 no Brasil.

Sobre o que se pode oferecer a trabalhadores para virem do Brasil, Jorge Rebelo de Almeida garante que não é difícil aliciar as pessoas a mudarem, pois "lá há muito espírito de aventura e muita vontade de progredir".

"O que temos que fazer é criar condições para as pessoas virem para cá e terem alojamento. Em Portugal, e digo isto há anos, uma das prioridades tem que ser a habitação, voltar a ter programas de várias modalidades, de rendas limitadas, de propriedade resolúvel, de empréstimos de longo prazo, da habitação para jovens, de voltar a reabilitar os centros das cidades metendo lá os jovens, etc. Para isso, é fundamental ter esse objetivo, mas se eu falar com o nosso pessoal, o que apontam como uma grande dificuldade é a compra de casa ou o arrendamento", lamenta.

Leia Também: OE2022: AHRESP considera que proposta do Governo "falha no essencial"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório