Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 16º MÁX 28º

Edição

Galamba espantado com "surpresa" causada com consulta sobre lítio

O secretário de Estado Adjunto e da Energia disse hoje ter ficado "surpreendido com a surpresa" causada pela abertura da consulta pública do relatório de prospeção e pesquisa de lítio, dois dias após as eleições autárquicas.

Galamba espantado com "surpresa" causada com consulta sobre lítio
Notícias ao Minuto

22:26 - 12/10/21 por Lusa

Economia João Galamba

Questionado pela agência Lusa, à margem da assinatura de um memorando de entendimento para a criação de Comunidade de Energia Renovável (CER) na zona empresarial do Neiva, em Viana do Castelo, João Galamba disse que o despacho que iniciou a consulta pública "era conhecido há meses".

Em causa está a consulta pública, iniciada pela Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) dois dias depois das eleições autárquicas de setembro, do relatório de avaliação ambiental preliminar do Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio das oito potenciais áreas para lançamento de procedimento concursal.

O período de consulta, inicialmente previsto até 10 de novembro, foi prorrogado pela DGEG para 10 de dezembro, após a contestação de partidos políticos, autarquias e movimentos cívicos.

"Foi com alguma surpresa que vimos as pessoas surpreendidas com uma consulta pública nesta altura. Ela teria de acontecer sempre nesta altura porque o prazo era conhecido há meses", afirmou.

O governante explicou que o despacho do Ministério do Ambiente e da Transição Energética que iniciou a consulta pública "tinha como prazo limite para obter resultados o mês de novembro".

"Era inevitável que houvesse uma consulta pública agora. Entendemos que não fazia grande sentido estar a abrir uma consulta pública a dias das eleições autárquicas. Não iria beneficiar a consulta pública. Por isso aguardamos", referiu.

João Galamba lembrou que o "governo não estava obrigado a fazê-lo, mas decidiu fazer uma avaliação ambiental estratégica que implica uma consulta pública para que todos os interessados possam participar e dizerem o que pensam do projeto.

"A contestação é natural. Estes processos geram sempre contestação. O nosso objetivo é ter um processo o mais participado, aberto e transparente possível. Por isso, fizemos a avaliação ambiental estratégica", explicou.

O secretário de Estado Adjunto e da Energia referiu que o concurso que o Governo pretende lançar, no final do processo da avaliação ambiental estratégica e redefinidas as zonas a submeter a concurso é para prospeção e pesquisa de minérios".

"É para saber se há [minérios], em que quantidade há e, se há, se é viável. Ou seja, não estamos a fazer um concurso para abrir minas (...) Só no final disso é que se saberá se interessa ou não candidatarem-se ou pedirem uma concessão mineira. Ainda estamos numa fase muito inicial em que o impacto ambiente nos sítios onde será feita a prospeção e pesquisa será mínimo ou inexistente", especificou.

O relatório de avaliação ambiental preliminar do Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio identificou "alguns riscos" nas oito potenciais áreas do Norte e Centro do país, reconhecendo ainda assim ser uma oportunidade para a "descarbonização da economia".

De acordo com o relatório, o Programa de Prospeção e Pesquisa de Lítio (PPPLítio) "constitui uma oportunidade para que a sociedade e a economia evoluam para descarbonização da economia e prossigam a estratégia da transição energética".

No relatório de avaliação ambiental preliminar foram analisadas as áreas: Arga (Viana do Castelo), Seixoso-Vieiros (Braga, Porto e Vila Real), Massueime (Guarda), Guarda -- Mangualde (quatro zonas espalhadas por Guarda, Viseu, Castelo Branco e Coimbra) e Segura (Castelo Branco).

"Cada caso é um caso. Trata-se de uma avaliação ambiental estratégica para definir se as zonas previamente identificadas devem ir todas ou não a concurso. Se haverá ou não minas será numa fase mais à frente. Uma coisa é certa. Uma mina só abre se tiver uma declaração de avaliação ambiental positiva e se não a tiver não abre", frisou.

Entre as oito áreas previstas para integrar o concurso internacional para atribuição de direitos de prospeção e pesquisa de lítio encontra-se a Serra d'Arga, que abrange uma área de 10 mil hectares nos concelhos de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Ponte de Lima, dos quais 4.280 hectares se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária.

Em causa está uma serra que está atualmente em fase de classificação como Área de Paisagem Protegida de Interesse Regional, numa iniciativa conjunta daqueles quatro concelhos do distrito de Viana do Castelo para garantir a proteção daquele território de eventuais projetos de prospeção ou exploração de lítio e de outros minerais.

Questionado se a zona da Serra d'Arga vai ser alvo de prospeção e pesquisa de minérios disse ser necessário "aguardar pelo fim da avaliação ambiental estratégica".

"O Governo retirou a área de Rede Natura 2000 da Serra d'Arga. A chamada Arga, que tinha sido definida inicialmente, não está toda na área que está agora a ser sujeita a avaliação ambiental estratégica. Aguardemos serenamente", disse.

João Galamba acrescentou que "o Governo leva a avaliação ambiental estratégica a sério" e convidou à "participação de todos na consulta pública" que decorre até 10 de dezembro.

Leia Também: Galamba diz que quer impedir subida de combustíveis sem justificação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório