Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 28º

Edição

Situação financeira do país "não é confortável", alerta Nazaré Cabral

O alerta é da presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral, e chega a menos de duas semanas da entrega do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) na Assembleia da República. 

Situação financeira do país "não é confortável", alerta Nazaré Cabral

A situação financeira de Portugal "não é confortável". O alerta é da presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral, e chega a menos de duas semanas da entrega do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) na Assembleia da República. 

"Há aqui um ponto que não podemos esquecer, que é o de que a nossa situação financeira não é uma situação confortável. Aqui, falo da situação da dívida pública. Embora as regras orçamentais estejam suspensas, há sempre mecanismos de escrutínio daquilo que é a imagem externa do país. Isso não desaparece. Estamos sempre, sempre a ser avaliados. Devo dizer que esta questão foi gerida nos últimos anos com cuidado pelo Governo", disse Nazaré Cabral em entrevista ao Público.

A presidente do CFP adianta ainda que, por conta disto, "acabámos por ter um prémio, porque temos tido condições de financiamento consistentemente mais favoráveis e isso deve-se em boa medida à perceção, que eu acho que houve, de que era preciso gerir este tema com pinças, com eficácia, para que Portugal de facto fosse retirado dos radares dos mercados financeiros". 

A proposta de OE2022 tem de ser entregue no parlamento até dia 10 de outubro. Segundo disse à Lusa fonte oficial do Ministério das Finanças, tendo em conta que, este ano, o dia 10 de outubro é a um domingo, a proposta de OE2022 será entregue no dia útil seguinte, ou seja, na segunda-feira, dia 11.

Défice agrava-se e atinge 6.878 milhões até agosto

O défice das contas públicas agravou-se em 550 milhões de euros (ME) até agosto, face ao período homólogo, atingindo 6.878 milhões de euros, avançou o Ministério das Finanças.

Segundo o Ministério, "o défice das Administrações Públicas até agosto atingiu os 6.878 ME em contabilidade pública, agravando-se em 550 ME face ao período homólogo em resultado do crescimento da despesa (5,1%) ter sido superior ao observado na receita (4,7%)".

"Este agravamento encontra-se amplamente influenciado pela prorrogação do prazo de entrega do IVA de agosto", sublinha o gabinete liderado por João Leão, no habitual comunicado que antecede a divulgação da execução orçamental pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

De acordo com o documento, a despesa primária cresceu 6,5% "refletindo as medidas extraordinárias de apoio à economia e a forte dinâmica de crescimento do Serviço Nacional de Saúde".

De janeiro a agosto, a despesa com os apoios a famílias e empresas adotados no contexto da pandemia de covid-19 ascendeu a 4.658 ME, ultrapassando em 30% o valor executado em todo o ano de 2020, quando atingiu 3.546 ME.

Leia Também: China. Banco central promete "desenvolvimento saudável" do imobiliário

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório