Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Deputados chumbam propostas para alterar regime de arrendamento urbano

Os deputados chumbaram hoje, no parlamento, cinco projetos de lei, do PCP, Bloco de Esquerda (BE) e PAN, para a alteração do regime de arrendamento urbano atualmente em vigor.

Deputados chumbam propostas para alterar regime de arrendamento urbano
Notícias ao Minuto

15:45 - 17/09/21 por Lusa

Política Parlamento

Foi assim rejeitada uma proposta do PCP, com votos contra do PS, PSD, CDS, Chega e Iniciativa Liberal (IL), que também chumbaram um projeto de lei do PAN (com abstenção da IL), sendo que as duas propostas tinham como objetivo a alteração do regime de arrendamento urbano.

O PS, PSD, CDS, Iniciativa Liberal e Chega votaram ainda contra (com abstenção do PAN no primeiro) um projeto de lei do BE para a proteção do direito à habitação dos idosos e outro para o reconhecimento de contratos de arrendamento.

Por fim, com os votos contra do PS, PSD, CDS, Iniciativa Liberal e PAN foi chumbada uma proposta de lei também do Bloco, para a estabilidade dos contratos de arrendamento.

"O regime do arrendamento urbano já é há muitos anos um fator de injustiça e um obstáculo ao pleno cumprimento do direito à habitação. E muitíssimo mais grave ficou desde a aprovação da Lei 31/2012, que ficou conhecida como a infame "lei dos despejos", com o Governo e a maioria PSD/CDS de Passos Coelho, Paulo Portas e Assunção Cristas", referiu o deputado Bruno Dias, do PCP, durante a apresentação da proposta do partido.

Por sua vez, Inês Corte Real, do PAN, criticou a proposta do PCP, por "seguir um caminho do desequilíbrio manifestamente contraproducente" e de "oneração excessiva de uma das partes, desincentivando qualquer proprietário a celebrar contratos de arrendamento habitacional".

Já Maria Manuel Rola, do BE, falou em "desproteção" no atual regime, considerando a transição dos contratos de arrendamento "deliberadamente maquiavélica", que "atropelou o direito à habitação" e à proteção aos mais vulneráveis.

Pedro Morais Soares, do CDS, considerou os projetos "uma tentativa de regressar ao passado" com rendas baixas, casas degradadas e endividamento excessivo. Maria Begonha do PS recordou que ainda recentemente entraram em vigor alterações a este regime, apelando a que "se consolide" e a um reforço na fiscalização.

Márcia Passos, do PSD, disse que a proposta do PCP era uma tentativa de "desresponsabilizar quem não quer pagar a renda", algo contestado por Bruno Dias, numa intervenção subsequente. Diogo Pacheco de Amorim, do Chega, realçou que os inquilinos "devem e podem" contar com a ajuda do Estado.

Com as suas propostas distribuídas por três projetos, o Bloco de Esquerda defendeu, entre outras medidas, que o prazo mínimo dos contratos aumente para cinco anos, prevendo que a denúncia e a oposição à primeira renovação do contrato, por parte do senhorio, apenas produz efeitos decorridos cinco anos da celebração.

Entre as propostas do BE constava ainda o aprofundamento da norma que reconhece que os inquilinos não podem ser prejudicados pelo facto de não terem um contrato de arrendamento escrito, defendendo que passe a ser possível o inquilino "intimar o senhorio a regularizar a situação de existência de contrato de arrendamento" e que a injunção em matéria de arrendamento "seja o meio processual expedito para, nos casos em que a intimação não funcionar, efetivar os contratos de arrendamento que, apesar de já existirem, não são reconhecidos".

Além disto, o BE queria ainda reforçar a proteção dos inquilinos mais idosos propondo que o critério de tempo para residir na habitação passe para 15 anos e que o critério da idade e do grau de deficiência seja aferido na data em que se recebe, atualmente, a comunicação do senhorio.

O objetivo é impedir que pessoas com mais de 65 anos possam ser despejadas apenas pelo facto de não terem completado esta idade à data de transição do seu contrato de arrendamento (anterior a 1990) para o NRAU (Novo Regime de Arrendamento Urbano).

O projeto do PCP também defendia a fixação da duração inicial do contrato em cinco anos, prevendo ainda renovações automáticas de três anos "se nenhuma das partes manifestar a sua oposição na forma e prazo consignado na lei".

Entre as medidas propostas pelo PCP estava ainda a extinção do Balcão do Arrendamento, reforço da proteção dos contratos de arrendamento antigos, a salvaguarda dos interesses dos filhos em caso de morte dos pais (arrendatário primitivo ou cônjuge) e a impossibilidade de o senhorio poder, durante a vigência de um contrato de arrendamento com prazo certo, poder denunciá-lo para sua habitação própria ou para descendente em 1.º grau.

Relativamente às situações causadas pela pandemia, o PCP pretendia, entre outras medidas, impedir a penhora de contas bancárias do inquilino e a manutenção da suspensão e entrega dos locados até 31 de dezembro e alargar o prazo de pagamento da quantia em mora e fixar o início da regularização da dívida para 01 de janeiro.

O projeto do PAN defendia, por seu lado, que os inquilinos (habitacionais e não habitacionais) afetados pela pandemia dispusessem de mais tempo para pagar rendas atrasadas, defendendo que o senhorio só possa resolver o contrato "por falta de pagamento das rendas vencidas nos meses em que vigorou o estado de emergência e o estado de calamidade e no primeiro mês subsequente aos mesmos, se o arrendatário não efetuar o seu pagamento, no prazo de 24 meses contados do termo desse período, em prestações mensais e sucessivas do montante total em dívida, pagas juntamente com a renda de cada mês".

O PAN propunha ainda uma redução dos prazos a que o inquilino está obrigado a observar quando pretende denunciar ou não renovar o contrato.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório