Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Costa pressiona acordo na concertação social para valorização salarial

 O primeiro-ministro destacou a importância do acordo de concertação social hoje assinado para a formação profissional, mas considerou que tem de ser completado com compromissos sobre valorização salarial e conciliação entre vida profissional e familiar.

Costa pressiona acordo na concertação social para valorização salarial
Notícias ao Minuto

11:34 - 28/07/21 por Lusa

Economia Costa

António Costa deixou esta mensagem no Picadeiro Real do Museu dos Coches, em Lisboa, no final da cerimónia de assinatura do acordo tripartido (Governo, UGT e confederações patronais) sobre formação profissional -- o primeiro desde que o antigo líder parlamentar socialista Francisco Assis preside ao Conselho Económico e Social, e que só não envolveu a CGTP-IN.

"Este acordo não pode deixar de ser visto em paralelo com três outros temas que estão em discussão na concertação social", sustentou o líder do executivo, apontando em primeiro lugar o objetivo de conciliação da vida profissional com a vida familiar.

"Não é possível termos este esforço de formação sem haver maior conciliação destas dimensões diversas da vida", justificou, antes de apontar como segundo desafio a existência de uma "agenda de trabalho digno".

"É fundamental o reforço da dignidade do trabalho e o combate à precariedade laboral. Não há esforço e investimento que valham a pena em formação se houver precariedade, porque é um desperdício de recursos", advogou, num discurso em que elogiou o papel da concertação ao nível do diálogo social.

Depois, na perspetiva de António Costa, a concertação social deve chegar a um acordo "sobre a valorização salarial, em particular das jovens gerações, sem o qual este esforço de aposta na qualificação não será percebido por quem tem de o fazer como valendo a pena para progredir na respetiva carreira".

"Não há emprego para a vida, mas também tem de haver oportunidades ao longo de toda a vida. E isso implica necessariamente uma aposta na valorização dos rendimentos. Quero reafirmar a todos os parceiros da concertação social que o Estado se considera parte no esforço coletivo que a sociedade portuguesa tem de fazer para aumentar o rendimento disponível das famílias", frisou.

O primeiro-ministro defendeu em seguida que o seu Governo já tem feito esse esforço para o aumento do rendimento disponível das famílias -- "e está disponível para o continuar a fazer e encontrar novas formas de o fazer".

"Nos últimos anos, o Governo introduziu novidades importantes em matéria fiscal, como o IRS jovem, onde, nos três primeiros anos de descontos, houve uma redução significativa da coleta. Mas também o temos feito através de um conjunto de políticas públicas que aumentam o rendimento disponível das famílias através de transferências não monetárias, caso mais exemplar do investimento dos passes nos transportes públicos", referiu ainda.

Leia Também: Luto nacional? "Obviamente o Estado curva-se perante a memória de Otelo"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório