Meteorologia

  • 03 AGOSTO 2021
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

TAP paga subsídios e salários em atraso a funcionários da Groundforce

A decisão foi anunciada pelo Ministério das Infraestruturas.

TAP paga subsídios e salários em atraso a funcionários da Groundforce

A TAP vai pagar diretamente os subsídios de férias e os salários em atraso dos trabalhadores da Groundforce, uma decisão anunciada na quarta-feira pelo Ministério das Infraestruturas.

A decisão foi comunicada aos sindicatos que representam a empresa de handling, depois de uma reunião entre representantes das empresas.

Desta forma, a companhia aérea tenta assegurar que a próxima paralisação, marcada para os dias 31 de julho e 1 e 2 de agosto, seja suspensa, depois de no último fim de semana a greve ter provocando o cancelamento de centenas de voos e o caos no Aeroporto de Lisboa, com milhares de passageiros afetados.

"Esta foi a solução encontrada para ultrapassar a recusa na semana passada da administração da Groundforce em aceitar a transferência da TAP que permitiria o pagamento aos trabalhadores do subsídio que lhes era devido", lê-se no comunicado do ministério.

Na mesma nota, a tutela de Pedro Nuno Santos explicou que "ao mesmo tempo, a TAP vai abreviar o pagamento definido contratualmente para saldar a fatura relativa a serviços prestados em junho, garantindo que a administração da Groundforce tem liquidez suficiente para pagar integral e atempadamente os salários dos trabalhadores relativos ao mês de julho", sublinhando "que o valor dos serviços prestados pagos pela TAP à Groundforce é superior às necessidades salariais dos trabalhadores" da empresa.

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, disse esta terça-feira que a TAP estava a trabalhar numa solução para pagar subsídios de férias na Groundforce e assegurar os salários de julho.

Durante uma audição regimental na Comissão da Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, o governante recordou que a TAP já tinha demonstrado disponibilidade para pagar os subsídios.

Pedro Nuno Santos realçou que esta solução está a ser desenhada para que não dependa da vontade de quem controla a empresa de 'handling', ou seja, a Pasogal, de Alfredo Casimiro.

"No curto prazo, a TAP tinha mostrado disponibilidade para pagar subsídios de ferias, isso mantém-se", adiantou, recordando que foi a Groundforce que não aceitou a solução.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português.

Leia Também: Groundforce: Solução do Governo passa por "garantir mudança acionista"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório