Meteorologia

  • 25 JULHO 2021
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Credores da Coelima decidem hoje entre propostas para compra da têxtil

Os credores da Coelima voltam hoje a reunir-se no Juízo de Comércio de Guimarães para escolher entre as três propostas para compra da têxtil, apresentadas pela Mabera e pelos consórcios Mundo Têxtil/Felpinter e RTL/José Fontão.

Credores da Coelima decidem hoje entre propostas para compra da têxtil
Notícias ao Minuto

06:30 - 25/06/21 por Lusa

Economia Coelima

De acordo com as propostas reformuladas abertas na passada segunda-feira pelo administrador de insolvência, Pedro Pidwell, a oferta de valor mais elevado é a da Mabera, que se propõe pagar perto de 3,637 milhões de euros pela Coelima. Segue-se a do consórcio Mundo Têxtil/Felpinter (que oferece 2,615 milhões de euros) e a da RTL/José Fontão & Cia, no valor de 1,75 milhões de euros.

As três propostas que anteriormente tinham sido apresentadas por estas empresas ficaram sem efeito, já que a assembleia de credores realizada em 18 de junho deliberou que, até às 18h00 da passada segunda-feira, os três interessados na aquisição da insolvente - ou outros que, entretanto, surgissem - pudessem melhorar as respetivas ofertas.

Na assembleia de credores do passado dia 18, que durou mais de quatro horas, a venda da empresa de Guimarães, proposta pelo administrador de insolvência, foi aprovada por mais de 96% dos votos.

A análise e decisão final quanto às várias ofertas em cima da mesa -- que se propõem, todas, dar continuidade à atividade da Coelima e manter os cerca de 250 postos de trabalho existentes - foi, contudo, adiada para hoje, com a assembleia de credores a ser retomada a partir das 10:00.

De acordo com o relatório do administrador de insolvência, a "venda antecipada do estabelecimento" é a opção que "permitirá salvaguardar os postos de trabalho e, consequentemente, o próprio estabelecimento, evitando deteriorações e depreciações resultantes do encerramento".

O objetivo de Pedro Pidwell é "conseguir assegurar as condições para que o negócio fique 'alinhavado' antes do próximo dia 30, com a transferência do remanescente dos encargos operacionais para o comprador do estabelecimento".

Parte integrante do grupo MoreTextile -- que, em 2011, resultou da fusão com a JMA e a António Almeida & Filhos e cujo acionista principal é o Fundo de Recuperação gerido pela ECS Capital --, a Coelima apresentou-se à insolvência no passado dia 14 de abril, na sequência da quebra de vendas "superior a 60%" provocada pela pandemia e da não aprovação das candidaturas que apresentou às linhas covid-19.

Fonte do gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, garantiu, contudo, à agência Lusa que "não deu entrada qualquer operação da Coelima no grupo Banco Português de Fomento no âmbito das linhas covid-19".

O anúncio da sentença de declaração de insolvência da Coelima, especializada no fabrico de têxteis-lar, foi publicado em 22 de abril, com a empresa a apresentar um passivo de perto de 30 milhões de euros e cerca de 250 credores no final de 2020.

Apesar de ter inicialmente manifestado a intenção de apresentar um plano de insolvência com vista à recuperação da empresa, a administração da têxtil de Guimarães acabaria por recuar e, em 26 de maio, avançou à Lusa não estarem "reunidas as condições que permitam assegurar a manutenção da exploração".

Leia Também: Assembleia de credores da Coelima decide futuro da têxtil de Guimarães

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório