Meteorologia

  • 19 JUNHO 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 21º

Edição

Remessas para África subsaariana caíram 12,5% no ano passado

As remessas enviadas para os países da África subsaariana caíram 12,5% no ano passado, para 42 mil milhões de dólares (34,7 mil milhões de euros), mas excluindo a Nigéria, o valor das verbas enviadas pelos emigrantes subiu 2,3%.

Remessas para África subsaariana caíram 12,5% no ano passado
Notícias ao Minuto

16:37 - 13/05/21 por Lusa

Economia Banco Mundial

De acordo com os números divulgados hoje pelo Banco Mundial, no relatório sobre os fluxos de remessas, o dinheiro enviado pelos estrangeiros para os seus países de origem aumentou no ano passado para América Latina e Caraíbas (6,5%), para a Ásia (5,2%) e para o Médio Oriente e Norte de África (2,3%), tendo registado a maior queda na África subsaariana, que viu as verbas enviadas pelos emigrantes descerem 12,5%.

"O declínio foi quase inteiramente devido à quebra de 27,7% nas remessas para a Nigéria, que vale 40% do total da região", lê-se no documento divulgado em Washington.

"Excluindo a Nigéria, as remessas para esta região aumentaram 2,3%", com fortes subidas na Zâmbia (32%) e em Moçambique (16%), prevendo-se que este ano aumentem 2,6%, sustentadas pelas melhores perspetivas de crescimento nos países de elevados rendimentos", acrescenta-se no documento.

Relativamente aos custos de enviar dinheiro, a África subsaariana mantém-se a região mais cara, com os emigrantes a terem de pagar, em média, 8,2% de taxas para um envio de 200 dólares, o que compara com a média de 6,5% a nível mundial, e é quase o triplo da meta dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (3%).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório