Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2021
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 27º

Edição

Mais de um terço das empresas de calçado têm encomendas para três meses

A maioria das empresas portuguesas de calçado (86%) têm encomendas para, pelo menos, um mês de trabalho e 33% têm a produção assegurada durante os próximos três meses, revela o inquérito de conjuntura da associação setorial.

Mais de um terço das empresas de calçado têm encomendas para três meses
Notícias ao Minuto

16:51 - 11/05/21 por Lusa

Economia Associação

Embora considere ser "ainda prematuro apontar para uma recuperação efetiva do setor, tanto mais que dados do 'World Footwear' apontam para que a retoma do consumo a nível mundial se efetive apenas em 2023", a Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS) considera que os resultados deste último inquérito "são os mais animadores desde o início da pandemia".

"Todas as análises são ainda prematuras, na medida em que permanecemos dependentes da evolução da pandemia e mesmo do processo de vacinação, mas todos os sinais indicam que as empresas portuguesas de calçado têm conseguido resistir e começam a revelar os primeiros sinais de confiança", sustenta o presidente da APICCAPS citado num comunicado.

Para Luís Onofre, "importa agora consolidar os resultados e esperar que as boas expectativas relativas a alguns mercados, como por exemplo os EUA, se possam efetivar".

Segundo as conclusões do mais recente inquérito de conjuntura da APICCAPS - ao qual responderam 99 empresas, responsáveis por 7.000 postos de trabalho e uma faturação na ordem dos 600 milhões de euros -- 46% das empresas entendem que a produção atual é superior (17%) ou idêntica (29%) para a época do ano.

Por esta altura, 2% das empresas continuam encerradas, recorrendo aos apoios disponibilizados pelo Estado.

O inquérito aponta ainda que, nos próximos seis meses, 81% das empresas não equacionam suspender, ainda que provisoriamente, a produção e 82% entendem que não será necessário fazer alterações ao nível do quadro de pessoal.

"Ainda assim, primeira vez desde o início da pandemia, há mais empresas a equacionar novas contratações (10%) do que aquelas que entendem ser necessário reduzir o quadro de pessoal (9%)", nota a associação.

A redução das encomendas (63% das respostas) permanece com a maior preocupação dos empresários, seguida agora, com 44% das respostas, pela dificuldade de abastecimento de matérias-primas.

"O 'lay-off' simplificado, outrora uma medida de gestão de excelência para as empresas, apenas está a ser implementada por 7% das empresas, sendo que 82% das empresas não anteveem a sua utilização no próximo semestre", refere a APICCAPS.

Já quanto aos mecanismos da retoma progressiva ou da adaptabilidade de horário de trabalho, 64% e 60% das empresas, respetivamente, não preveem também usá-los nos próximos seis meses.

Leia Também: Feira de Espinho com muitos lugares vazios mas de volta à oferta completa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório