Meteorologia

  • 23 JUNHO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Nova fase de obras no Mosteiro dos Jerónimos com verba de 460 mil euros

O Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, vai iniciar uma nova fase de obras de conservação, a decorrer até 2022, garantida por um protocolo a assinar quinta-feira entre a Direção-Geral do Património Cultural e a World Monuments Fund Portugal.

Nova fase de obras no Mosteiro dos Jerónimos com verba de 460 mil euros
Notícias ao Minuto

20:12 - 05/05/21 por Lusa

Cultura Mosteiro dos Jerónimos

Segundo um comunicado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), o protocolo é assinado pelas 15h30 no mosteiro e vai permitir um investimento de 460 mil euros, destinando-se à "conservação e restauro das superfícies pétreas dos paramentos exteriores e terraços em pedra da igreja que envolvem as zonas dos transeptos, do cruzeiro e da capela-mor, a par da conservação do património integrado, como é o caso dos vitrais e janelas localizadas na área em questão".

Uma intervenção que "faz face ao problema urgente da alteração e decaimento das pedras da igreja", suportada financeiramente por um grupo de mecenas, reunido pelo World Monuments Fund Portugal (WMF-P) e constituído pela Brisa, Caixa Geral de Depósitos, Fundação Millennium bcp, Fundo Robert Wilson, Prozis e a REN.

Segundo a DGPC, o Plano de Conservação e Restauro das abóbadas da igreja do mosteiro inclui obras exteriores e interiores "programadas para o período 2012-2022".

O WMF-P tem sido a entidade parceira da DGPC nesta intervenção.

O Mosteiro dos Jerónimos ou de Santa Maria de Belém foi mandado construir pelo rei Manuel I, celebrando a concretização do caminho marítimo para a Índia, em 1498.

Considerado uma obra-prima da arquitetura portuguesa, iniciada nos primeiros anos do século XVI, o monumento consta da lista do Património Mundial da UNESCO desde 1983, e "é apontado como a 'joia' do [estilo arquitetónico] manuelino", que associa "uma simbologia régia cristológica e naturalista" aos elementos do estilo gótico final, "que o torna único".

O WMF é uma organização privada sem fins lucrativos fundada em 1965 nos EUA, que visa a proteção de património cultural em risco.

Em Portugal, esta organização já participou em ações de conservação e restauro nos claustros deste mosteiro, na vizinha Torre de Belém, nos Jardins do Palácio de Queluz, da estátua equestre de José I, de autoria de Machado de Castro, na Praça do Comércio, em Lisboa, e da Sé Catedral do Funchal.

Em 2022, o monumento em pedra de lioz - o mais visitado no país - vai celebrar 500 anos da edificação, e a sua conservação e restauro tem sido considerada urgente pela tutela.

A última grande intervenção na igreja dos Jerónimos data dos anos 1960.

Leia Também: PRR prevê requalificação de 49 museus, monumentos e teatros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório