Meteorologia

  • 18 MAIO 2021
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 24º

Edição

Patrões e Total aliam-se face a "pesadelo" de pagamentos em atraso

A CTA - Confederação das Associações Económicas de Moçambique e a Total criaram uma equipa conjunta para enfrentar o "pesadelo" dos pagamentos em atraso a empresas moçambicanas, após o ataque a Palma e saída da petrolífera de Cabo Delgado.

Patrões e Total aliam-se face a "pesadelo" de pagamentos em atraso
Notícias ao Minuto

19:28 - 20/04/21 por Lusa

Economia Moçambique

"Decorrente dos ataques terroristas, a CTA apresentou as preocupações do setor privado à Total e ao embaixador de França", durante reuniões mantidas hoje, e de entre várias questões destacam-se o atraso nos pagamentos que se está a tornar "num pesadelo para o setor privado", referiu Agostinho Vuma, presidente da principal associação patronal moçambicana.

Vuma falava em conferência de imprensa, em Maputo, após os encontros que manteve com a direção da Total e o embaixador da França em Moçambique.

Segundo Agostinho Vuma, a Total informou estar a "trabalhar arduamente para encontrar soluções para os contratos em curso, através das contratadas" e disse que "não tem pagamentos atrasados".

Assim, a CTA e a petrolífera acordaram "criar uma 'task force' conjunta para mapear os pagamentos pendentes e cujas mercadorias tinham sido ordenadas pelas contratadas" e "facilitar, contrato a contrato, o cumprimento das obrigações com as pequenas e médias empresas moçambicanas".

"A Total garantiu que já pagou a todas as empresas com as quais tem contrato, mas estas empresas também subcontrataram outras, na sua maioria moçambicanas, que podem não estar a efetuar pagamentos", detalhou.

O passo seguinte consiste em "fazer um levantamento para ver quais são estas empresas e o que se está a passar", declarou Agostinho Vuma.

O líder da CTA sublinhou a preocupação com o dinheiro gasto em mercadorias por entregar, numa altura em que o projeto parou por tempo indeterminado.

"Nos encontros, foi preocupação da CTA obter da Total clareza quanto às mercadorias em trânsito e em armazém por ser entregues. A CTA, junto do Governo e da Total, está a fazer o esforço necessário para minimizar essa questão o mais rápido possível", afirmou Vuma, acrescentando que há da parte da petrolífera "garantias" de que a situação está a ser "acautelada".

O líder da CTA disse ainda que tanto o embaixador francês como a Total descartaram qualquer deslocalização do projeto de gás para as ilhas Maiote, zona que forma um departamento ultramarino francês, cerca de 600 quilómetros ao largo de Palma: "Não a têm como opção para o projeto", apenas "para instalação de serviços hospitalares" para transferência de quadros.

A Total garantiu ainda que a segurança do recinto do projeto na península de Afungi está a ser acautelada pelo Governo e que decidiu "manter equipamentos no local, como sinal de que não pretende transferir-se para outros pontos, como as ilhas Maiote", nem pretende "terminar o projeto".

A petrolífera abandonou por prazo indeterminado o megaprojeto de exploração de gás natural da bacia do Rovuma, maior investimento privado em África no valor de cerca de 20 mil milhões de euros, após o ataque de um grupo armado à vila de Palma em 24 de março.

O ataque, o mais recente em três anos e meio de insurgência, provocou dezenas de mortos (ainda sem balanço oficial) entre residentes e colaboradores ligados ao projeto.

Apesar das tentativas realizadas desde então, a Lusa ainda não conseguiu obter esclarecimentos por parte da petrolífera em relação ao futuro do projeto.

Agostinho Vuma recordou hoje os dados que havia avançado na última semana em entrevista à Lusa: 410 empresas fecharam e 56 mil empregos desapareceram nos distritos afetados, registando-se 80 milhões de euros de impacto (destruições, atrasos de pagamentos e mercadorias em trânsito sem certeza da entrega).

Vuma disse hoje que os dados incluem o ataque de Palma e que, em retrospetiva, Mocímboa da Praia é o distrito mais afetado.

Segundo havia referido à Lusa, fecharam ainda outras 700 empresas fora dos distritos sob ataque e 143 mil camponeses largaram o setor agrário familiar desde o início do conflito.

Leia Também: Governo contabilizou mais de 723 mil deslocados em Moçambique

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório