Meteorologia

  • 20 JUNHO 2021
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

É "difícil" compreender o desinvestimento na ferrovia, admite ministro

O ministro das Infraestruturas considerou hoje, em Lisboa, ser "difícil" compreender a "inteligência nacional" que levou a que o país deixasse de investir em ferrovia.

É "difícil" compreender o desinvestimento na ferrovia, admite ministro
Notícias ao Minuto

13:29 - 19/04/21 por Lusa

Economia Ferrovia

"Finalmente voltou-se a falar de ferrovia como ela deve ser falada. Quando pensamos nas razões pelas quais precisamos de investir na ferrovia, é difícil compreender a inteligência nacional que levou a que tivéssemos deixado de investir na ferrovia", afirmou Pedro Nuno Santos, na sessão de lançamento do Pano Ferroviário Nacional.

Garantindo não atribuir a culpa do desinvestimento a um único partido, o governante apontou que o país tem um "problema crónico", que passa pela dependência de importações, sendo o principal componente os "combustíveis fósseis".

Neste sentido, disse não compreender como é que ainda hoje o país não tem a ferrovia eletrificada.

Por sua vez, do ponto de vista ambiental, conforme destacou, este é o meio de transporte que mais respeita o ambiente.

"Por dia, antes da pandemia, chegávamos a transportar 200 mil passageiros na linha de Sintra, com as limitações da linha", exemplificou, notando que se estas pessoas trocarem o comboio por um automóvel o custo é "abismal".

Leia Também: Governo: Plano ferroviário tem que ter em consideração serviços a prestar

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório