Meteorologia

  • 08 MAIO 2021
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 24º

Edição

Greve dos oficiais de justiça com adesão "aquém do expectável"

A greve dos oficiais de justiça, que decorreu entre segunda e sexta-feira, teve uma adesão "aquém do expectável", adiantou hoje o sindicato, que vincou porém que a ministra da Justiça não tem condições para representar o "Estado livre".

Greve dos oficiais de justiça com adesão "aquém do expectável"
Notícias ao Minuto

17:12 - 17/04/21 por Lusa

Economia Sindicato

"A adesão, a esta greve, atípica, não correspondeu, em termos globais, ao sentimento da esmagadora maioria dos oficiais de justiça, ficando aquém do expectável. Há que o assumir, com sentido de responsabilidade, ainda que existam inúmeros fatores para tal", avançou, em comunicado, o Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ).

A paralisação de cinco dias teve por objetivo lutar contra o incumprimento da lei por parte do Ministério da Justiça e contra o que dizem ser um "regime de trabalho forçado", que viola a Constituição e as convenções internacionais.

Apesar de ressalvar que foram registadas violações à lei da greve, o sindicato destacou que foi possível denunciar "o desprezo pela lei e o tratamento desigual" no Ministério liderado por Francisca van Dunem e dar a conhecer que este despreza as leis.

"Os oficiais de justiça, assumindo os custos desta greve e com coragem, lutaram para denunciar que o Ministério da Justiça vem condicionando os tribunais, de forma despudorada, fomentando uma cultura de total desprezo pelas leis e de tratamento desigual, entre pessoas humanas, protegendo uns e abandonando outros à sua sorte", acrescentou a estrutura sindical.

No documento, o SOJ reconheceu ainda como positivo o início do processo de vacinação destes profissionais, porém, garantiu ser "necessário mais".

O sindicato considerou assim ser imprescindível que os oficiais de justiça encontrem "no processo negocial outros interlocutores", afirmando que a ministra da Justiça e o secretário de Estado Adjunto e da Justiça, Mário Belo Morgado, não têm "condições para continuar a representar o Estado livre e o direito democrático".

O Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ) convocou uma greve na semana passada contra o não pagamento de horas suplementares e em protesto contra o que designam de "trabalho forçado/escravo".

O SOJ exige o cumprimento da lei do Orçamento do Estado de 2020, considerando que esta não está a ser cumprida pelo Ministério da Justiça.

O sindicato refere que a paralisação de cinco dias foi a forma de luta e protesto contra "o incumprimento da lei, por parte do Ministério da Justiça, num claro desprezo pelo Povo português, parlamento e Estado de direito democrático" e contra o "regime de trabalho forçado que viola a Constituição da República Portuguesa e as convenções internacionais ratificadas pelo Estado Português".

Para esta estrutura sindical, o Ministério da Justiça persiste "em manter os Oficiais de Justiça portugueses sob um regime de trabalho forçado/escravo -- por imposição legal têm o dever de continuar a trabalhar após a jornada de trabalho, sem direito ao pagamento dessas horas suplementares, nem qualquer compensação".

Leia Também: Oficiais de justiça acusam Ministério de desprezar a lei

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório