Meteorologia

  • 12 JUNHO 2024
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 23º

CP transportou 337.270 clientes na Linha do Vouga em 2020

A Linha do Vouga, que liga Espinho a Águeda através de Oliveira de Azeméis e Albergaria-a-Velha, transportou 337.270 passageiros em 2020, revelou hoje a CP, escusando-se a indicar as despesas com táxis nos troços com circulação ferroviária suspensa.

CP transportou 337.270 clientes na Linha do Vouga em 2020
Notícias ao Minuto

16:03 - 14/04/21 por Lusa

Economia CP

Em causa está a via centenária que atravessa o interior do distrito de Aveiro, também faz ligação a essa cidade através de um ramal próprio e vem há décadas sendo objeto de vários apelos por entidades empenhadas na sua reabilitação, pelo que em 2019 o Governo anunciou que seria requalificada entre 2021 e 2025, ao abrigo do Programa Nacional de Investimentos até 2030.

Questionada Lusa quanto ao desempenho dessa ferrovia específica em 2020, a CP - Comboios de Portugal apenas respondeu à Lusa que contabilizou nesse ano um total de 337.270 passageiros, o que representou 398.823 euros em "rendimentos de tráfego".

Parte desses passageiros viajaram, contudo, em táxis pagos pela CP, uma vez que no troço de 28 quilómetros entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga, no concelho de Águeda, a via-férrea não reúne condições de segurança para a normal circulação de comboios e está desde 2013 interditada a carruagens que transportem público.

A Lusa quis saber o número de clientes que utilizaram o serviço de táxi em alternativa ao comboio e qual foi o custo global dessas viagens para a CP, mas a empresa não respondeu às questões sobre o assunto. Referiu apenas que a despesa com o serviço rodoviário de substituição por táxi "é feita ao abrigo do Código de Contratação Pública, uma vez que a CP integra o setor público empresarial do Estado", acrescentando depois alguns pormenores sobre o funcionamento da respetiva bilhética.

"No sentido Espinho-Oliveira-Sernada, normalmente os bilhetes já foram passados pelo revisor do comboio e o motorista de táxi faz apenas a verificação dos mesmos. Se o cliente começar a viagem em Oliveira Azeméis, o motorista de táxi faz a venda do bilhete. Já no sentido Sernada-Oliveira-Espinho, é mais habitual ser o motorista do táxi a vender os bilhetes que depois são verificados pelo revisor no comboio", explica a CP.

Quanto às obras esperadas para revitalização da linha que foi inaugurada em 1908 e cuja velocidade máxima não ultrapassa os 50 quilómetros por hora devido à bitola de apenas um metro entre carris, é a IP - Infraestruturas de Portugal que faz o ponto da situação, enquanto gestora das estruturas físicas afetas à ferrovia.

"A IP tem já a decorrer estudos de contexto em conjunto com as autarquias. O resultado desses estudos dará orientações para os projetos a desenvolver de seguida", explica fonte da empresa pública, notando que desde início de 2021 está a decorrer o concurso público de 2,6 milhões de euros para "reabilitação da superestrutura da via entre Santa Maria da Feira e Oliveira de Azeméis".

Essa empreitada está inscrita no Plano de Reabilitação da Linha do Vouga, que, no global, prevê 34 milhões de euros para recuperação faseada de toda a ferrovia, o que incluirá "a substituição integral de carris, travessas e fixações, [nova] balastragem de via e [operações de] ataque mecânico pesado, bem como a automatização de passagens de nível", inclusive no troço de Azeméis a Sernada, onde atualmente se efetuam apenas "circulações de caráter técnico".

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório