Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Governo prolonga teletrabalho e desfasamento de horários até fim do ano

A medida foi aprovada esta quinta-feira em sede de Conselho de Ministros. O decreto-lei atualmente em vigor prevê o desfasamento de horários nas empresas com mais de 50 trabalhadores até ao final do mês de março.

Governo prolonga teletrabalho e desfasamento de horários até fim do ano

O Governo aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, um decreto-lei que prolonga até ao final do ano o regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão. Na prática, trata-se do desfasamento de horários de entrada e saída nos locais de trabalho para evitar risco de contágio entre os colaboradores.

"Foi aprovado o decreto-lei que prorroga, até 31 de dezembro de 2021, o regime excecional e transitório de reorganização do trabalho e de minimização de riscos de transmissão da infeção da doença Covid-19 no âmbito das relações laborais", pode ler-se no comunicado do Conselho de Ministros. 

O Governo não afasta, porém, a "possibilidade de prorrogação adicional após consulta dos parceiros sociais", segundo o mesmo comunicado. 

O regime excecional que contempla o desfasamento de horários vigora até 31 de março de 2021, mas já tinha sido aberta a possibilidade de ser prolongado. Aliás, no decreto que regula a lei está prevista a "possibilidade de prorrogação destas medidas, em razão da evolução da pandemia da doença Covid-19".

As regras atualmente em vigor, recorde-se, aplicam-se a empresas com mais de 50 trabalhadores. A organização das horas de entrada e saída dos locais de trabalho deve ocorrer de forma desfasada, garantindo-se intervalos mínimos de 30 minutos até ao limite de uma hora entre grupos de trabalhadores.

Teletrabalho obrigatório até final do ano

Também o teletrabalho vai manter-se obrigatório até ao final do ano sempre que as funções o permitam, com vista a minimizar os riscos de transmissão da infeção da Covid-19.

Segundo fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em causa está o Decreto-Lei n.º 79-A/2020, que terminava este mês e que estabelece a obrigatoriedade do teletrabalho e também o desfasamento dos horários de entrada e saída de trabalhadores.

De acordo com o diploma, "é obrigatória a adoção do regime de teletrabalho, independentemente do vínculo laboral, sempre que as funções em causa o permitam e o trabalhador disponha de condições para as exercer, sem necessidade de acordo escrito entre o empregador e o trabalhador".

"Excecionalmente, quando entenda não estarem reunidas as condições" referidas, o empregador "deve comunicar, fundamentadamente e por escrito, ao trabalhador a sua decisão, competindo-lhe demonstrar que as funções em causa não são compatíveis com o regime do teletrabalho ou a falta de condições técnicas adequadas para a sua implementação", estipula ainda o decreto-lei.

O trabalhador pode pedir à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) a verificação dos factos invocados pelo empregador.

"O trabalhador em regime de teletrabalho tem os mesmos direitos e deveres dos demais trabalhadores, sem redução de retribuição, nos termos previstos no Código do Trabalho ou em instrumento de regulamentação coletiva aplicável, nomeadamente no que se refere a limites do período normal de trabalho e outras condições de trabalho, segurança e saúde no trabalho e reparação de danos emergentes de acidente de trabalho ou doença profissional, mantendo ainda o direito a receber o subsídio de refeição que já lhe fosse devido", lê-se no diploma.

Neste momento aplicam-se, no entanto, as regras previstas no âmbito do Estado de Emergência, aplicáveis em todos o país, e que preveem igualmente que o teletrabalho é obrigatório, não havendo necessidade de acordo entre empregador e trabalhador, e prevendo coimas agravadas por incumprimento.

O diploma hoje prorrogado e que ficará válido após o fim das regras do Estado de Emergência, prevê, por sua vez, que o teletrabalho é obrigatório apenas nos concelhos onde há maior risco de propagação da Covid-19, identificados pela Direção-Geral de Saúde.

[Notícia atualizada às 21h04]

Leia Também: 'Stock' de crédito a empresas sobe para mais de 74.200 milhões

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório