Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
MIN 9º MÁX 19º

Edição

Governo admite rever em baixa previsões económicas para este ano

A segunda vaga da pandemia está a ser "mais intensa do que o esperado", admite o gabinete do ministro das Finanças, João Leão.

Governo admite rever em baixa previsões económicas para este ano
Notícias ao Minuto

16:34 - 27/01/21 por Notícias Ao Minuto 

Economia previsões

O Ministério das Finanças admite rever em baixa as previsões económicas para este ano, perante uma segunda vaga "mais intensa" do que o previsto, comeste novo confinamento.

"A segunda vaga da pandemia, mais intensa do que o esperado, e as medidas restritivas de confinamento associadas, com maiores apoios ao rendimento das famílias e às empresas, deverão conduzir a uma revisão em baixa do cenário macroeconómico e do saldo orçamental para 2021", refere o Ministério das Finanças, em comunicado.

Na proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) que entregou no parlamento em outubro, o Governo aponta para um défice orçamental de 4,3% em 2021, estimando ainda que a economia cresça 5,4%, depois de em 2020 ter entrado em terreno negativo.

Ainda assim, os dados da execução orçamental divulgados esta quarta-feiralevam o Governo a acreditar que o défice em contas nacionais de 2020 deverá ficar abaixo dos 7,3%.

"A evolução mais positiva do emprego, com reflexo na receita fiscal e contributiva permite-nos antecipar que o défice orçamental em contas nacionais de 2020 deverá ficar abaixo dos 7,3% previstos no Orçamento do Estado para 2021, devendo ficar mais próximo do valor inicialmente previsto no Orçamento Suplementar de 2020", acrescenta a tutela.

O Ministério das Finanças reconhece que "apesar do impacto muito acentuado da crise pandémica na economia em 2020,o comportamento do mercado de trabalho foi bastante mais favorável do que o previsto, o que deverá ter um impacto positivo nas contas públicas".

O défice das Administrações Públicas em contabilidade pública, no ano de 2020,situou-se nos 10.320 milhões de euros, um agravamento de 9.704 milhões de euros face a 2019, explicado pelapandemiadaCovid-19, revelou, esta quarta-feira, o Ministério das Finanças, no comunicado que antecede a execução orçamental daDireção-Geral do Orçamento (DGO).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório