Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
12º
MIN 11º MÁX 20º

Edição

Mudança de apoio à retoma para lay-off. Tem de ser registada desistência

As empresas que pediram para aceder ao apoio à retoma em janeiro e que pretendam agora mudar para o 'lay-off' simplificado têm de apresentar uma desistência relativa ao primeiro, esclareceu este domingo o Instituto da Segurança Social (ISS).

Mudança de apoio à retoma para lay-off. Tem de ser registada desistência
Notícias ao Minuto

23:39 - 17/01/21 por Lusa

Economia Covid-19

Numa nota publicada na página da Segurança Social, o ISS explica que as entidades empregadoras que já submeteram pedido de apoio extraordinário à retoma progressiva para o mês de janeiro, e que pretendem agora aceder ao 'lay-off' simplificado "deverão registar uma desistência do apoio extraordinário à retoma a partir do dia que pretendem aderir ao 'lay-off' simplificado".

"Isto é, quem pretender aderir ao 'lay-off' simplificado a partir do dia 15/01, deve registar uma desistência no apoio extraordinário à retoma progressiva a partir do dia 15/01", exemplifica o ISS.

Os formulários para as empresas acederem aos dois apoios já estão disponíveis na página da Segurança Social.

O 'lay-off' simplificado voltou agora a estar acessível durante o estado de emergência decretado pelo Governo, de 15 a 30 de janeiro, para as empresas que suspenderem ou encerrarem a atividade por determinação administrativa.

A medida destina-se ao pagamento das remunerações dos trabalhadores afetados, que recebem a sua remuneração a 100%, com limite de três salários mínimos (1.995 euros), dos quais 19% são suportados pelo empregador e o restante pela Segurança Social.

O apoio à retoma também prevê o pagamento de 100% da remuneração até 1.995 euros aos trabalhadores abrangidos, sendo o valor suportado pela Segurança Social, mas está disponível para as empresas com quebras de faturação superiores a 25%.

Porém, a percentagem de redução dos horários dos trabalhadores no apoio à retoma depende do nível de quebra de faturação, sendo apenas as empresas com quebras de 75% ou superiores podem reduzir em 100% os horários.

Quando ao pagamento da Taxa Social Única (TSU), o 'lay-off' simplificado prevê a isenção do pagamento das contribuições, enquanto no regime do apoio à retoma apenas uma parte dos descontos não têm de ser pagos pela empresa à Segurança Social.

Leia Também: Mercados abastecedores continuam em atividade no estado de emergência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório