Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2021
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 15º

Edição

Ruas da Amadora concorridas no segundo confinamento

Longe do cenário do primeiro confinamento, as ruas do centro da Amadora continuam hoje concorridas, apesar de as filas só serem visíveis à porta de cafés e bancos. A grande maioria das pessoas passeia, fintando o recolher cívico obrigatório.

Ruas da Amadora concorridas no segundo confinamento
Notícias ao Minuto

14:56 - 15/01/21 por Lusa

País Covid-19

Naquela que é a primeira manhã do segundo confinamento decretado pelo Governo no âmbito da pandemia de covid-19, até 30 de janeiro, a vida no centro da cidade, no distrito de Lisboa, mantém-se apenas com algumas diferenças, constatou a Lusa.

No Jardim Delfim Guimarães, os bancos continuam ocupados por quem já há muitos anos deixou de trabalhar. Não querem falar à câmara de televisão, mas vão deixando escapar que têm de se continuar a mexer e a apanhar ar.

À sua frente, lojas fechadas: boutiques de roupa, sapatarias, esteticistas ou cabeleireiros, que ficaram fora das exceções dos estabelecimentos de bens e serviços essenciais.

As regras gerais do novo confinamento passam por ficar em casa, limitar os contactos ao agregado familiar, reduzir as deslocações ao essencial, usar máscara de proteção, manter o distanciamento físico, lavar as mãos e cumprir etiqueta respiratória.

Algumas pessoas vão em passo apressado. Nas mãos, sacos onde se entreveem compras. Mas a grande maioria, sobretudo mais idosos, segue conforme pode, cumprindo o uso de máscara, mas sem o distanciamento de dois metros quando pára para cumprimentar o vizinho ou conhecido com quem se cruza.

"São pessoas que deveriam estar em casa. Eu estou aqui, na fila do banco, porque vim fazer um depósito para o patrão, as minhas funções não me permitem estar em teletrabalho", diz à Lusa Vanda Lopo, enquanto espera para entrar na dependência bancária, lamentando a presença dos idosos na rua.

Em relação ao primeiro confinamento, entre março e abril de 2020, Vanda Lopo reconhece que "está a ser diferente, um bocadinho mais agitado", olhando em redor. No seu entender, as escolas deveriam ter fechado.

"Concordo com o novo confinamento, mas as medidas deveriam ser mais restritas e as escolas fechadas. Não fechando, há mais gente nas ruas", sublinha.

António Pereira é um dos idosos que reconhecem, a meio da manhã, ser "ainda cedo" para ir buscar o almoço - razão que o faz andar na rua à semelhança dos outros dias -, mas frisa que só o faz de manhã e passa o resto do dia em casa.

"Acho que anda assim-assim, se calhar menos gente em relação a ontem [quinta-feira]. As pessoas, vamos lá ver, quando vier o verão já não se lembram disto, querem é ir para a praia, mas a prevenção é sempre boa", diz, acrescentando que a situação atual "está pior porque as pessoas abusaram no Natal".

Na rua paralela à estação de comboios da Amadora, Andreia, do Snack Bar Ariana, serve à porta o pequeno-almoço a Maria José, uma vizinha de 79 anos, que em dia de análises clínicas optou por tomar o café na rua, "com medo que acontecesse alguma coisa antes de chegar a casa".

"Venho cá algumas vezes, até buscar o almoço. Mas hoje foi mais cedo porque fui às análises", conta, admitindo que só tem queixas do "bicho, que nunca mais se vai embora", e concordando com as novas medidas de confinamento.

"Mas é preciso que todos façam a sua parte, uns fazem, outros não. Com as multas vamos ver. Hoje vai correr tudo bem, mas depois já não corre. Anda tudo ao molho e fé em Deus, sem cuidados", critica.

Maria José conta que com a idade que tem nunca se viu "nestas confusões". Lamenta a falta de interesse pelos idosos, por parte de alguns responsáveis, nomeadamente nos apoios que poderiam ser prestados.

"Nós como somos mais velhos somos obrigados a estar em casa, obrigados a estar resguardados. Agora vou para casa e já não saio, andámos a pedir a reforma para estarmos metidos em casa", lamuria.

Em consenso, Andreia, Manuel Esteves, da Pastelaria Lusa, Sofia e Maria João, do Forno Real, reconhecem que os espaços onde trabalham tiveram de se adaptar às novas medidas, com os pedidos feitos à porta.

Até agora, os seus cafés e pastelarias têm conseguido manter-se, mas tiveram de reinventar-se e proporcionar o 'take-away' das refeições, que anteriormente serviam dentro portas.

Maria João, que entre a conversa com a reportagem da Lusa vai apregoando a quem passa que há café ou sumo, reconhece que o novo confinamento poderá levar ao fecho de muitos estabelecimentos.

"Acho que não é um confinamento que vai ter qualquer tipo de resultado. O único que eu acho que vai ter é muita casa como a nossa fechar, é o resultado que acho. Ao nível de baixar os números [de infetados por covid-19] não estou a ver", perspetiva.

As angústias são partilhadas por Diogo, um dos rostos à frente do Talho Majestade, que, apesar de identificar "uma ligeira quebra no volume do negócio", lamenta a situação de outros ramos que estão fechados e não conhecem o seu futuro.

"Hoje há menos pessoas a entrar, o movimento na rua é menor", comenta, reconhecendo que no primeiro confinamento as pessoas "não foram bem informadas e houve uma procura maior dos produtos" ao mesmo tempo: "Agora há mais informação e as pessoas veem aos poucos, sem aquela afluência do primeiro".

À porta do Centro Comercial Babilónia, um dos ícones da cidade, encontra-se um segurança, munido de um termómetro que aponta a quem quer entrar para os poucos serviços autorizados a funcionar - no espaço funciona um notário e um registo predial. As lojas, essas, estão agora fechadas.

Também no exterior, a maioria do comércio está fechado, algumas lojas com cadeados à porta, outras com cortinados a tapar as montras, só mostrando os pés dos manequins que fazem espelho com os passos de quem pelos passeios se atravessa.

Leia Também: Portugal regista mais 10.663 infetados e 159 mortos (novo recorde)

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório