Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Empresários de Portalegre receiam "machadada final" com confinamento

Os empresários da região de Portalegre manifestaram hoje receios de que o novo confinamento geral, devido à covid-19, se transforme na "machadada final" para muitas empresas, numa região que conta com um tecido empresarial "débil".

Empresários de Portalegre receiam "machadada final" com confinamento
Notícias ao Minuto

18:05 - 14/01/21 por Lusa

Economia Portalegre

"Acho que é a 'machadada final'. As pessoas queixam-se sempre muito relativamente à veracidade das coisas, empolam sempre um bocadinho mais, não digo que vá fechar muita gente, mas vai haver aqui graves problemas", alertou hoje à agência Lusa o presidente da Associação Empresarial de Elvas (AEE), João Pires.

O responsável disse acreditar que, "para meados de fevereiro, comecem a 'cair' restaurantes mais pequenos, comércios mais pequenos, porque a machadada é muito grande".

Desde o início da pandemia, "não há" registo de muitos estabelecimentos comerciais encerrados naquele concelho raiano, mas João Pires alertou que o setor da restauração vai ser o mais afetado nos próximos tempos.

Elvas e os estabelecimentos de restauração vivem muito à base dos clientes oriundos de Espanha, que "pouco ou nada" têm ido àquela cidade da raia, indicou.

Também o presidente do Núcleo Empresarial da Região de Portalegre (NERPOR), Jorge Pais, alertou hoje à Lusa para as consequências do novo confinamento, receando o encerramento definitivo de pequenos comércios e empresas.

"Esta região já está uns 'furos' atrás das outras em termos de dinâmica empresarial, de vida económica, de população e o impacto destes encerramentos obrigatórios para os pequenos estabelecimentos e comércio é ainda mais dramático", disse.

Segundo o responsável, "o contexto em que vivem [comércio e pequenas empresas] é muito mau, mesmo sem pandemia já não era muito famoso. Agora, com estas situações, com a obrigatoriedade de fechar as portas, a situação agrava-se muitíssimo e muitos, com certeza, não conseguirão resistir".

O presidente do NERPOR disse ainda esperar que os apoios do Governo aos pequenos empresários sejam distribuídos com celeridade, o que nem sempre ocorreu desde o início da pandemia.

"Muitas das medidas que são anunciadas e apresentadas, depois, na prática, não estão a funcionar com a rapidez necessária, e escuto muitos empresários que estavam à espera dos apoios, mas depois há atrasos de processamento, burocráticos e acabam por não receber com a rapidez que seria necessário", criticou.

Jorge Pais acrescentou ainda que as moratórias no crédito têm "aliviado um bocadinho" a vida das empresas, mas, como "não houve um perdão da dívida", os pagamentos "vão aparecer" mais tarde, coincidido, presumivelmente, com um período em que se espera que as empresas "comecem a respirar".

O decreto do Governo que regulamenta o novo estado de emergência devido à pandemia de covid-19, em vigor entre as 00:00 de sexta-feira e as 23:59 de 30 de janeiro, determina o encerramento de espaços e estabelecimentos comerciais.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.979.596 mortos resultantes de mais de 92,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório