Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Neeleman perdeu 169 milhões quando saiu da TAP, revela Pedro Nuno Santos

O acionista David Neeleman perdeu 169 milhões de euros quando saiu da TAP, garantiu hoje o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, durante a apresentação do plano de reestruturação do grupo.

Neeleman perdeu 169 milhões quando saiu da TAP, revela Pedro Nuno Santos
Notícias ao Minuto

12:55 - 11/12/20 por Lusa

Economia TAP

David Neeleman "tinha direito a prestações acessórias de 224 milhões de euros" ou seja, "no momento em que o Estado se tornasse maioritário, o privado ia pedir 224 milhões de euros", disse o governante na conferência de imprensa a decorrer no Ministério das Infraestruturas, em Lisboa.

"O Estado não ia aceitar, ia disputar", indicou, salientando que a solução mais aceitável foi pagar 55 milhões de euros ao acionista.

Ou seja, acrescentou, "David Neeleman aceitou perder 169 milhões de euros".

Segundo o governante, o Estado pagou "ao sócio privado para ele ir embora", que "não só foi poupado a injetar dinheiro na companhia", como ainda recebeu 55 milhões de euros para sair.

Pedro Nuno Santos explicou que, quando o Portugal decidiu pedir auxílio de Estado à Comissão Europeia, não estava em causa, naquele momento, "saber se a empresa ficaria privada ou pública".

"Vamos ouvindo que o Governo tomou uma decisão ao abrigo de uma gravata ideológica", afirmou o ministro no início de uma conferência de imprensa de mais de duas horas, refutando esta ideia e explicando que a crise pandémica "precipitou a degradação muito acentuada das contas da TAP", colocando a empresa em risco de sobrevivência, e, naquele momento, "o privado não tinha dinheiro nem vontade de injetar na TAP".

Se o Estado não injetasse os 1,2 mil milhões de euros aprovados por Bruxelas, prosseguiu, "a TAP falia". "Não houve nenhuma gravata contra o privado", sublinhou.

Quanto ao regime de apoio temporário da Comissão Europeia para empresas em dificuldades devido à covid-19, a que a TAP não teve direito, uma vez que se encontrava em situação financeira difícil em dezembro de 2019, o ministro das Infraestruturas afirmou que essa "não é uma matéria de opinião", mas sim de "critérios muito bem definidos" de Bruxelas.

"Vamos ouvindo um discurso de que aparentemente haveria aí um regime qualquer muito melhor que o Estado português não conseguiu e, por isso, a reestruturação vai ser agora mais agressiva. [...] A TAP não poderia ter concorrido a mais nenhum regime, nomeadamente o quadro temporário covid-19 ,[...] porque foi considerada pela Comissao Europeia uma empresa em dificuldades já em 2019. Esta não é uma matéria abstrata, ou subjetiva, a Comissão Europeia tem critérios muito bem definidos".

A TAP tinha capitais próprios negativos a rondar cerca de 600 milhões de euros em 2019 e tinha cerca de 300 milhões de euros em dívida com atrasos de pagamento superiores a 90 dias, o que permitia aos credores pedirem a insolvência da empresa, explicou Pedro Nuno Santos.

"Esta é a razão que leva a que a TAP só possa ser resgatada ao abrigo do regime resgate e reestruturação", esclareceu.

O Governo entregou na quinta-feira o plano de reestruturação da TAP à Comissão Europeia, que, segundo detalhou hoje o ministro, prevê o despedimento de 500 pilotos, 750 tripulantes de cabine, 450 trabalhadores da manutenção e engenharia e 250 das restantes áreas.

O plano prevê, ainda, a redução de 25% da massa salarial do grupo e do número de aviões que compõem a frota da companhia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório