Meteorologia

  • 25 JANEIRO 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

Covid. Berlim em condições de continuar a libertar grandes somas em 2021

A Alemanha vai poder continuar a desembolsar "grandes somas" em 2021, para fazer face às consequências económicas e sociais da pandemia de covid-19, afirmou hoje a chanceler alemã, Angela Merkel.

Covid. Berlim em condições de continuar a libertar grandes somas em 2021
Notícias ao Minuto

12:57 - 05/12/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"Conseguimos disponibilizar grandes somas em 2020 e conseguiremos fazê-lo em 2021 porque temos gerido bem as nossas finanças nos últimos anos", disse a chanceler alemã no seu 'podcast' semanal.

O parlamento alemão deverá votar o orçamento federal na próxima semana.

A chanceler, que está no poder há 15 anos, destacou que a Alemanha é o país menos endividado do G7.

Esta ajuda "representa muito dinheiro, mas os custos seriam ainda mais elevados, tanto financeira como socialmente, se muitas empresas entrassem em colapso e se se perdessem milhões de empregos", acrescentou Angela Merkel, que deixará o cargo em 2021.

"Claro que não podemos manter este nível de apoio indefinidamente e é evidente que teremos de trabalhar nesta dívida excecional a partir de 2023", continuou, acrescentando que se anteveem "enormes desafios orçamentais para os próximos anos".

Cada vez mais vozes apelam a um regresso gradual à disciplina orçamental, num país que é avesso à despesa pública e que injetou milhares de milhões de euros para ajudar as suas empresas a ultrapassar o choque da crise.

Em março, Berlim desbloqueou perto de um bilião de euros de ajuda às empresas sob a forma de trabalho a tempo parcial, empréstimos garantidos e ajuda direta.

Em junho, o país lançou um plano de recuperação de 130 mil milhões de euros para investimentos de futuro e para estimular o consumo.

Esta despesa resultará em 300 mil milhões de euros de novas dívidas em 2020 e 2021 para a maior economia da zona euro, de acordo com o Ministério das Finanças.

Com isto, o país pôs de lado a regra do "travão da dívida", consagrada na constituição alemã, que proíbe o governo federal de contrair mais de 0,35% do seu Produto Interno Bruto (PIB).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório