Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

OCDE melhora projeções globais para 2020, mas sinaliza desigualdades

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) reviu hoje em ligeira alta as perspetivas para a economia global em 2020, mas avisa que a recuperação em 2021 será muito desigual entre os seus membros.

OCDE melhora projeções globais para 2020, mas sinaliza desigualdades
Notícias ao Minuto

12:25 - 01/12/20 por Lusa

Economia Recuperação

A economia global deverá cair 4,2% em 2020 (três décimas menos face às anteriores previsões) e registar o mesmo crescimento em 2021, seguido de uma expansão de 3,7% em 2022.

Para a zona euro, a OCDE antevê uma contração de 7,5% neste ano, seguida de crescimentos de 3,6% e de 3,3% em 2021 e 2022, respetivamente.

Entre os países, a OCDE antecipa que a economia francesa cresça 6% em 2021 e 3,3% em 2022, enquanto o PIB italiano deverá avançar 4,3% no próximo ano e 3,2% em 2022, enquanto a Alemanha deverá contrair 5,5% em 2020 e recuperar 2,8% em 2021 e 3,3% em 2022.

"Pela primeira vez desde que começou a pandemia, há esperança num futuro mais brilhante", destacou a economista-chefe da OCDE, Laurence Boone no relatório semestral de perspetivas.

As diferenças serão significativas entre os países e o grande vencedor, em termos comparativos será a China, que além de ser o único membro do G20 que evitará a recessão este ano (com o PIB a avançar 1,8%), será também aquele que apresentará uma maior recuperação no próximo ano (8%).

Na outra face da moeda, estão os países que estão a sofrer com as novas vagas da pandemia, em particular muitos países europeus, mas também África do Sul, México, Índia e muito particularmente a Argentina.

A OCDE considera que a situação se mantém "excecionalmente incerta", com a possibilidade de uma melhoria mais rápida no caso de avançar o desenvolvimento e distribuição de vacinas, o que viria a reduzir a incerteza e a necessidade de poupança e aumentar o investimento e o consumo.

A OCDE avisa, no entanto, que a perspetiva de vacinas não deve ser uma desculpa para que os governos retirem de forma prematura as medidas de apoio à economia.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.460.018 mortos resultantes de mais de 62,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório