Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

UGT é "favorável" ao Estado de Emergência, mas com duas condições

UGT é favorável ao Estado de Emergência que "não feche a economia e que não prejudique os trabalhadores deste país", disse Carlos Silva, à saída de um encontro com o Presidente da República.

UGT é "favorável" ao Estado de Emergência, mas com duas condições

O líder da UGT, Carlos Silva, disse esta terça-feira que a central sindical apoia um possível Estado de Emergência, desde que o mesmo não feche a economia e não prejudique os trabalhadores, nomeadamente ao nível dos salários. 

"A nossa posição é favorável ao Estado de Emergência que não feche a economia e que não prejudique os trabalhadores deste país, nomeadamente em situação idêntica ao lay-off. Não queremos mais cortes salariais", referiu Carlos Silva, à saída de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. 

Acerca do horário de encerramento dos estabelecimentos, Carlos Silva considera que é uma "boa medida", quando comparada com outras mais restritivas que estão a ser adotadas por outros países europeus. 

No entanto, alertou que "há medidas que estão a ser implementadas em cima do joelho", referindo-se ao teletrabalho, que não foi falado entre os parceiros sociais na sexta-feira, mas no domingo o Governo pediu um parecer à UGT sobre o tema. 

Porém, considera que as medidas do teletrabalho "parecem positivas", porque o decreto-lei prevê medidas que a UGT defende, como por exemplo o pagamento do subsídio de refeição. 

"O apelo que nós aqui lançamos ao Presidente da República e ao país é a necessidade de toda a gente se articular da melhor forma possível para se responder à pandemia", disse ainda o líder da UGT

Sobre a Fórmula 1, Carlos Silva deixou ainda a nota que o "Governo deu um mau exemplo na altura em que autorizou 27.5000 pessoas em Portimão", disse ainda Carlos Silva, adiantando que transmitiu esta opinião ao Presidente da República. 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebe os parceiros sociais entre terça e quarta-feira, depois de na segunda-feira ter ouvido os nove partidos com assento parlamentar sobre um eventual Estado de Emergência.

De acordo com a Constituição, compete ao Presidente da República declarar o Estado de Emergência, no todo ou em parte do território nacional, mas para isso tem de ouvir o Governo e de ter autorização da Assembleia da República.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório