Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Poupança para a reforma deve começar cada vez mais cedo

Especialistas em várias áreas defenderam hoje que a poupança para a reforma deve começar cada vez mais cedo, sublinhando que o Estado deve deixar de passar a mensagem de que a Segurança Social é "omnipotente e omnipresente".

Poupança para a reforma deve começar cada vez mais cedo
Notícias ao Minuto

19:27 - 29/10/20 por Lusa

Economia Poupança

As posições dos especialistas foram deixadas no 'webinar' sobre o tema "A Evolução Demográfica Portuguesa e o Futuro das Pensões de Reforma", organizado pela Deco Proteste, no âmbito do Dia Mundial da Poupança, que se celebra no sábado, dia 31 de outubro.

Segundo o ex-ministro da Segurança Social Pedro Mota Soares, as pessoas "têm de começar a poupar muito mais cedo", tendo em conta que as pensões futuras "serão muito mais baixas do que as atuais".

Mota Soares disse que, num futuro próximo, a taxa de substituição da pensão (valor face ao último salário) será de cerca de 50% ou 60%.

Para Mota Soares, seria "muito útil" a criação de contas individuais virtuais com informação clara sobre as contribuições feitas e o valor da pensão futura, que permitisse fazer escolhas perante as várias alternativas à Segurança Social.

O presidente da Comissão Consultiva de Fundos de Pensões, Valdemar Duarte, disse que um dos problemas para incentivar a poupança para a reforma é "a mensagem que é transmitida de que a Segurança Social pode viver sozinha", ou seja, de que o Estado é "omnipotente e omnipresente".

"Esta mensagem conduz a que os portugueses não poupem, apesar de Portugal ser um dos países mais sensibilizados da União Europeia para a poupança", disse Valdemar Duarte.

Já o diretor do Centro de Competências Jurídico e Financeiro da Deco Proteste, Joaquim Rodrigues da Silva, indicou que em Portugal são "poucas as empresas que criam fundos de pensões", apenas as grandes empresas o fazem, ao contrário do que se passa em muitos países europeus.

"É preciso mudar as mentalidades dos portugueses", defendeu o responsável da Deco Proteste, acrescentando que a poupança para a reforma deve começar a ser feita "tão cedo quanto possível".

A título de exemplo, Joaquim Rodrigues da Silva explicou que se uma pessoa aos 30 anos de idade aplicar 100 euros todos os meses num plano de poupança reforma, chegará à reforma com 250 mil euros.

O Rodrigues da Silva disse, no entanto, que o investimento deve ser repartido entre um instrumento de poupança com capital garantido e capital de risco.

Por sua vez, Francesco Franco, professor de economia na Nova School of Business and Economics, alertou para o facto de os juros a longo prazo estarem perto de zeros ou negativos, o que torna pouca atrativa a poupança em complementos alternativos à Segurança Social.

"O problema demográfico e os juros próximos de zero tornam difícil incentivar a poupança", além dos salários baixos, disse Francesco Franco.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório