Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Lucro do Credit Suisse recua 38% para 511 milhões no 3.º trimestre

O lucro do banco Credit Suisse recuou 38% no terceiro trimestre deste ano, para 546 milhões de francos suíços (511 milhões de euros), na comparação com idêntico período do ano fiscal anterior, revelou hoje o grupo financeiro suíço.

Lucro do Credit Suisse recua 38% para 511 milhões no 3.º trimestre
Notícias ao Minuto

13:59 - 29/10/20 por Lusa

Economia Banco

O resultado líquido do banco surpreendeu os mercados, pois ficou aquém das expectativas que apontavam para os 597,3 milhões de francos suíços, segundo a agência Bloomberg.

A justificação para a queda do lucro, segundo a mesma agência, teve a ver com um pior desempenho na gestão de fortunas a nível internacional, uma área chave do Credit Suisse, apesar do recém-criado banco de investimento ter compensado em parte a queda com a sua atividade na Ásia.

As receitas, por sua vez, caíram 2% no terceiro trimestre, para 5,2 mil de francos suíços.

Em comunicado, o Credit Suisse, o segundo maior banco do país, explicou também que os resultados foram afetados negativamente pelas despesas de reestruturação, no montante de 107 milhões de francos suíços e pelas provisões para litígios, no valor de 152 milhões francos suíços.

Já as provisões para fazer face a perdas potenciais devido ao crédito concedido cifraram-se em 94 milhões de francos suíços, montante que ficou abaixo da previsão de 243,3 milhões de euros, mas acima do valor contabilizado no mesmo trimestre do ano anterior.

O banco aumentou os ativos líquidos de novos clientes em 18 mil milhões de francos suíços e apresentou um rácio de capital core Tier 1 (um dos indicadores mais relevantes para a avaliação da robustez/solvabilidade) de 13%, ou seja, acima da estimativa que apontava para 12,5%.

Além disso, informou que vai recomprar pelo menos 1.000 milhões de francos em ações até 2021, seguindo seu maior rival, o grupo UBS, ao sinalizar um regresso à recompra de ações, segundo a Bloomberg.

Este regresso à recompra de ações surge após o supervisor suíço ter feito pressão junto da banca deste país para que esta conservasse o capital durante o auge da pandemia de Covid-19.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório