Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2020
Tempo
MIN 8º MÁX 15º

Edição

Empresa moçambicana ENH melhora exercício financeiro em 200%

Maputo, 28 out 2020 (Lusa) - A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique alcançou uma melhoria de 200% no exercício financeiro que terminou em 30 de junho face ao ano anterior, anunciou a empresa. 

Empresa moçambicana ENH melhora exercício financeiro em 200%
Notícias ao Minuto

08:25 - 28/10/20 por Lusa

Economia Hidracarbonetos

A ENH fechou o exercício com um resultado líquido positivo de 1.551 milhões de meticais (18 milhões de euros), graças a dividendos recebidos e apesar de ter registado um resultado operacional negativo. 

Em 30 de junho de 2019, o exercício financeiro tinha fechado com um resultado líquido positivo de 515 milhões de meticais (seis milhões de euros).

"Este comportamento deveu-se ao contributo dos resultados financeiros que tiveram uma melhoria de 79% face ao exercício anterior e foram consequência, fundamentalmente, do acréscimo de recebimento de dividendos das empresas subsidiárias", lê-se na mensagem do presidente do conselho de administração, Estevão Pale, que acompanha o relatório e contas. 

A mensagem e um resumo do relatório foram publicados no jornal Notícias de terça-feira e o documento completo disponibilizado no portal da empresa na Internet foi hoje consultado pela Lusa.

Este foi o primeiro relatório sob gestão de Pale, que assumiu a liderança da ENH em janeiro, substituindo no cargo Omar Mithá

"Apesar do acréscimo de 29,5% observado nas vendas, o resultado operacional da empresa foi negativo, tendo-se situado em -1.372 milhões de meticais (16 milhões de euros), 18.1% abaixo do resultado operacional, também negativo, observado no exercício anterior", refere. 

Segundo o documento, "apesar desta situação, durante o presente período foram pagos dividendos ao acionista Estado no valor de 206 milhões de meticais (2,3 milhões de euros) relativamente aos resultados apurados no ano fiscal 2018-2019".

A participação da ENH nos projetos de gás natural do Rovuma "exigiram diversos recursos humanos, materiais e financeiros internos e financiamento pelos parceiros dos projetos, tendo em vista o cumprimento das suas obrigações", lê-se no documento.

"Apraz-nos referir que, não obstante os vários desafios enfrentados durante o período, estes projetos não foram afetados", acrescentou a empresa, numa alusão aos impactos da covid-19.

A extração de gás da bacia do Rovuma, ao largo da província de Cabo Delgado, está prevista para 2022 com o arranque da exploração das reservas Coral pela Eni e Exxon Mobil, seguindo-se em 2024 o início do projeto liderado pela francesa Total - o maior investimento privado em África da ordem dos 25 mil milhões de euros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório