Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Pandemia agrava défice orçamental para 5.179 milhões até setembro

Valor significa um agravamento de 7.767 milhões de euros face ao período homólogo, por causa da pandemia, de acordo com o Ministério das Finanças.

Pandemia agrava défice orçamental para 5.179 milhões até setembro

A execução orçamental em contabilidade pública das Administrações Públicas (AP) registou até setembro um défice de 5.179 milhões de euros, o que significa um agravamento de 7.767 milhões de euros face ao período homólogo, em resultado da pandemia, anunciou a tutela, esta terça-feira.

"Este aumento do défice resulta do efeito combinado da redução da receita (-6,9%) e do crescimento da despesa (+5,2%), consequência do impacto da pandemia: por um lado o efeito negativo na economia conduziu à redução acentuada da receita fiscal e contributiva; por outro, as medidas extraordinárias de apoio às famílias e empresas já justificam uma degradação adicional do saldo até setembro de, pelo menos, 3.005 milhões de euros", pode ler-se no comunicado do Ministério das Finanças, que antecede a execução orçamental que será divulgada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO)

Explica ainda o gabinete de João Leão que a quebra da da receita reflete os impactos da pandemia

"A receita fiscal recuou 8,3%, com a generalidade dos impostos a evidenciar quebras que resultam da contração da atividade económica, destacando-se a diminuição de 9,6% no IVA. As contribuições para a Segurança Social apresentaram um decréscimo de 1,6%, refletindo o abrandamento da atividade económica e os meses mais intensos do lay-off simplificado", pode ler-se. 

Até agosto, recorde-se, o saldo em contabilidade pública registou um défice de 6.147 milhões de euros.

Investimento no SNS "mais do que duplica"

Refere ainda a tutela que "para fazer face à pandemia, a despesa do SNS aumentou a um ritmo muito elevado de 5,5%", com destaque para o "aumento extraordinário do investimento (+119%) atingindo 187 milhões de euros e ultrapassando a execução completa do ano de 2019 (156 milhões de euros) e das despesas com pessoal (6,5%) tendo o número de profissionais de saúde do SNS aumentado 4,7% até setembro (+6.250 trabalhadores)". 

O Ministério de João Leão sublinha ainda que os pagamentos em atraso reduziram-se em 263 milhões de euros face a setembro de 2019, "explicado pela diminuição dos pagamentos em atraso no SNS em 291 milhões de euros". 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório