Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
10º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

FMI prevê contração de 5,8% da economia brasileira este ano

A economia brasileira vai contrair 5,8% este ano, devido aos efeitos da pandemia da covid-19, indicou o Fundo Monetário Internacional (FMI), que previu uma recuperação e um crescimento de 2,8% em 2021.

FMI prevê contração de 5,8% da economia brasileira este ano
Notícias ao Minuto

02:17 - 06/10/20 por Lusa

Economia FMI

De acordo com o relatório anual sobre a economia brasileira, divulgado na segunda-feira, o FMI adiantou não prever uma recuperação do consumo até ao final do ano.

"Com a ajuda de emergência reduzida a metade nos últimos quatro meses do ano, espera-se que o consumo privado se recupere apenas modestamente", devido aos efeitos da crise e à retirada do apoio fiscal, acrescentou.

Os pagamentos de ajuda de emergência cedida pelo Governo a milhões de famílias pobres do Brasil devem terminar no final deste ano, gerando debates políticos, incerteza fiscal e volatilidade no mercado financeiro nas últimas semanas.

Antes da pandemia, que fez mais de 146 mil mortos e quase cinco milhões de infetados no Brasil, a organização tinha elogiado as políticas do Governo brasileiro e considerado que a economia estava em condições de "recuperar em 2020".

No entanto, o FMI advertiu que "se as condições de saúde, económicas e sociais ficarem piores do que o esperado, as autoridades devem estar preparadas para fornecer apoio fiscal adicional".

A atividade económica brasileira contraiu 7% no primeiro semestre de 2020, a maior diminuição em 30 anos, e perdeu quase 12 milhões de postos de trabalho entre fevereiro e julho, mais de metade no setor informal, de acordo com o FMI.

O relatório frisou que alguns indicadores recentes são encorajadores, mas levar emprego, rendimentos e pobreza aos níveis pré-pandemia pode ser demorado.

Em agosto, os depósitos a prazo das famílias brasileiras aumentaram mais de 60% em relação ao ano anterior, enquanto que a diminuição das importações se devem traduzir num ligeiro superávite em conta corrente de 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, à medida que se recupera a procura externa.

O FMI alertou para a grande incerteza sobre a evolução da pandemia e apontou que o fim do apoio fiscal no final do ano irá resultar numa pressão acrescida.

A organização instou o executivo brasileiro a "implementar rapidamente reformas estruturais que garantam a consolidação a médio prazo" para mitigar "o risco de uma dinâmica da dívida indesejável".

"Qualquer gasto adicional pode minar a confiança do mercado e aumentar as taxas de juros", salientou.

A organização financeira projetou que, devido ao forte aumento do défice fiscal primário, a dívida pública bruta saltará para cerca de 100% do PIB este ano, e permanecerá alta a médio prazo.

O FMI referiu-se às preocupações dos mercados quanto à sustentabilidade fiscal brasileira, o que, assegurou, se vê refletida na forte curva de desempenho da moeda local (real).

Contudo, o FMI identificou como risco uma segunda vaga da pandemia, mas destacou as consideráveis reservas internacionais do país e o sistema bancário resiliente como pontos fortes, assim como uma baixa proporção da dívida pública, "o que proporciona uma almofada confortável contra choques externos".

"Com a dívida pública a aumentar para 100% do PIB [Produto Interno Bruto], a preservação do teto de gastos constitucional como âncora fiscal é essencial para sustentar a confiança do mercado e conter o risco soberano", disse o FMI, ao destacar a necessidade de consolidação fiscal para encerrar o défice primário e estabilizar a dívida pública.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e trinta mil mortos e mais de 35,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório