Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2020
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Acionistas da brasileira Azul votam hoje acordo de saída da TAP

Os acionistas da companhia aérea brasileira Azul, liderada por David Neeleman, reúnem-se hoje para votar o acordo de saída da TAP, incluindo a eliminação de direitos de converter obrigações em ações.

Acionistas da brasileira Azul votam hoje acordo de saída da TAP
Notícias ao Minuto

06:40 - 10/08/20 por Lusa

Economia TAP

De acordo com os documentos publicados no 'site' da Azul, a assembleia-geral extraordinária da empresa irá votar dois pontos, relacionados com a saída da empresa do capital da companhia aérea portuguesa, no âmbito do acordo para a injeção de 1,2 mil milhões de euros na TAP, aprovada pela Comissão Europeia.

Assim, os acionistas da Azul irão votar um aditamento "aos termos e condições anexos ao contrato de subscrição celebrado em 14 de março de 2016 entre a TAP -- Transportes Aéreos Portugueses, SGPS, S.A. na qualidade de emissora, a Transportes Aéreos Portugueses, S.A. e a companhia, na qualidade de titular, dos 'bonds' [obrigações] da Série A emitidos pela TAP, no valor nominal de 90 milhões de euros, de titularidade da companhia para eliminação do "Conversion Right" inerente aos 'bonds', constante do ponto 8 dos respetivos termos e condições (Conversion of Bonds), bem como de todas as disposições estritamente necessárias para refletir ao longo dos termos e condições dos 'bonds' a circunstância de o "Conversion Right" ter sido eliminado".

Em causa está a possibilidade de a Azul transformar estas obrigações em participação acionista na TAP.

Assim, "entre os direitos garantidos à companhia [Azul] na qualidade de titular dos 'bonds' por meio dos termos e condições, está o direito de, a qualquer momento durante o período de conversão estabelecido, converter os seus Bonds em novas ações da TAP", de acordo com o documento.

A Azul recorda depois que, para a injeção de 1,2 mil milhões de euros, devido ao impacto da covid-19, o Governo português propôs à Azul que fosse eliminado este direito, bem como a participação acionista "indiretamente detida pela companhia na TAP, por meio da Global AzulAir Projects, SGPS, S.A. para a Parpública -- Participações Públicas (SGPS), S.A", lê-se no documento.

Para que o acordo entre a Azul e o Estado português avance, recorda a Azul é preciso ter em conta que "o acionista controlador e presidente do Conselho de Administração da companhia, David Neeleman, indiretamente detém uma participação societária na TAP, cuja venda também está sendo negociada para a Parpública" nas "mesmas condições de negociação das ações detidas indiretamente pela companhia" e que, tendo em conta o objetivo deste processo "a administração entendeu que a aprovação da formalização do acordo depende de aprovação dos acionistas reunidos em Assembleia Geral".

Além disso, alerta a Azul, tendo em conta a legislação que regula o setor, "David Neeleman, ficará impedido de votar sobre esta matéria".

"A administração destaca que todas as demais condições contratuais dos 'bonds' serão mantidas, incluindo o 'status' de credor sénior da companhia, taxa de juros anual de 7,5% e o direito à constituição das garantias previstas nos respetivos termos e condições do contrato, como o programa de fidelidade da TAP", adiantou a proposta da administração da empresa.

"O valor principal mais os juros acumulados do título é de aproximadamente 729 milhões de reais [115 milhões de euros] na data atual", indicou ainda a Azul, cujos administradores acreditam que a recuperação da TAP irá aumentar "a capacidade de pagamento dos 'bonds' em seu vencimento, sendo portanto a melhor maneira de preservar seu interesse económico", de acordo com o documento.

Além disso, "o Comité de Governança e o Conselho de Administração manifestaram-se favoravelmente à alienação [da participação na TAP], que será realizada em condições comutativas e de mercado, tendo como contraprestação financeira o montante total de 10,56 milhões de euros (dez milhões, quinhentos e sessenta mil euros), sendo que o valor por ação da Global AzulAir a ser recebido pela companhia será equivalente ao valor por ação da GlobalAzulAir a ser recebido pelo acionista" David Neeleman, explica a proposta.

A administração acredita que também este ponto deve ser analisado pelos acionistas.

O Governo anunciou em 02 de julho que tinha chegado a acordo com os acionistas privados da TAP, passando a deter 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros.

"De forma a evitar o colapso da empresa, o Governo optou por chegar a acordo por 55 milhões de euros", referiu, nesse dia, o ministro das Finanças, João Leão, em conferência de imprensa conjunta com o ministro Pedro Nuno Santos, em Lisboa.

O Estado aumenta, assim, a participação na TAP dos atuais 50% para 72,5%.

Também presente na conferência de imprensa da altura, o secretário de Estado do Tesouro, Miguel Cruz, precisou que o Estado pagará o montante de 55 milhões de euros, que se destina à renúncia por parte da Atlantic Gateway ao "exercício das opções de saída do acordo parassocial".

O governante esclareceu também que a Atlantic Gateway passa a ser controlada por apenas um dos acionistas que compunha o consórcio, designadamente o português Humberto Pedrosa, dono do grupo Barraqueiro.

O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, sai assim da estrutura acionista da TAP.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório