Meteorologia

  • 03 AGOSTO 2020
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Aviação europeia manifesta "profundas preocupações" com restrições

Associações representativas das companhias aéreas europeias manifestaram hoje "profundas preocupações" pelas restrições aplicadas por alguns Estados-membros aos voos na União Europeia (UE) e no espaço Schengen, temendo os impactos na confiança dos passageiros e na retoma do tráfego.

Aviação europeia manifesta "profundas preocupações" com restrições
Notícias ao Minuto

13:50 - 31/07/20 por Lusa

Economia Covid-19:

"Enquanto associações comerciais representativas dos aeroportos e companhias aéreas europeias, escrevemos para expressar as nossas mais profundas preocupações sobre a reintrodução de restrições de viagem em partes da área que compreende a UE/Schengen e o Reino Unido", escrevem três das maiores associações representativas da aviação europeia numa carta hoje enviada aos chefes de Governo e ministros europeus dos Transportes, da Saúde e dos Assuntos Internos.

Na missiva -- assinada pela Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), a Companhias Aéreas para a Europa (A4E) e o Conselho Internacional de Aeroportos (ACI) e divulgada à imprensa em Bruxelas -- estas entidades lamentam que, após o levantamento em junho passado das restrições aos voos, tenham sido "reimpostas restrições de viagem" na UE e no espaço Schengen.

Isto porque, para estas três associações, "tais ações não são coerentes" com as orientações do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças e da Organização Mundial de Saúde, que já vieram considerar que as limitações ao movimento "não representam uma forma eficiente de reduzir as transmissões".

"Observamos que estas restrições são de âmbito e conteúdo diferentes e foram também estabelecidas com base noutros critérios", situação que está a "prejudicar a confiança dos consumidores nas viagens aéreas", realçam a IATA, a AE4 e a ACI na carta.

Além disso, "implementadas no auge da época alta de verão para as indústrias do turismo e viagens, estas restrições estão a atrasar a recuperação do tráfego aéreo e o restabelecimento da conectividade aérea", além de "afetarem gravemente a economia europeia", acrescentam.

A IATA, a AE4 e a ACI pedem, assim, "esforços urgentes" aos Estados-membros para "coordenar eficazmente e alinhar respostas à evolução da situação epidemiológica a nível da UE e em estreita cooperação com o Reino Unido", ao mesmo tempo que se "reforça o princípio de medidas baseadas no risco e proporcionais", isto é, com "restrições de localização e não com proibições gerais por país", optando pela imposição de "quarentena como último recurso".

"Cada dia conta e isto não pode esperar pelo fim das férias de verão", sublinham.

Numa entrevista à agência Lusa divulgada no domingo, o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, garantiu que a Comissão Europeia vai monitorizar as restrições à livre circulação na UE devido à covid-19 para assegurar um "tratamento igual" entre os Estados-membros, admitindo que Portugal é dos mais afetados pelas 'listas vermelhas', com a imposição de obrigações como realização de teste ou de quarentena.

A posição de Didier Reynders, que tutela a salvaguarda dos direitos dos cidadãos europeus, é semelhante à da comissária europeia para os Assuntos Internos, Ylva Johansson, responsável pela livre circulação na UE e no espaço Schengen, que também numa entrevista à Lusa divulgada no sábado passado admitiu tensões entre os Estados-membros devido a estas restrições, exigindo a adoção de medidas "proporcionais".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório