Meteorologia

  • 11 ABRIL 2021
Tempo
19º
MIN 11º MÁX 21º

Edição

Costa Silva pede reforço do investimento no cluster da Defesa

O reforço do investimento no cluster da economia de Defesa deve ser uma prioridade porque funciona como "alavanca para o desenvolvimento tecnológico do país", defende o consultor do executivo António Costa Silva no seu plano de recuperação económica.

Costa Silva pede reforço do investimento no cluster da Defesa
Notícias ao Minuto

12:28 - 10/07/20 por Lusa

Economia Plano 2020/2030

Num documento de 120 páginas, intitulado "Visão Estratégica para o plano de recuperação económica e social de Portugal 2020-2030", Costa Silva assinala que este cluster "representa hoje 3% do PIB nacional e aglutina os Centros Tecnológicos da Forças Armadas, com uma rede de empresas nacionais e internacionais, Universidades e Centros de Investigação", envolvendo ainda "mais de 200 empresas exportadoras" e cobrindo as indústrias aeronáutica, espacial e de defesa.

"É necessário reforçar o investimento neste cluster, porque ele é uma alavanca para o desenvolvimento tecnológico do país", defende António Costa Silva na versão preliminar do documento que entregará ao Governo.

O consultor do primeiro-ministro considera que "devem ser apoiados" projetos relacionados com a mobilidade aérea urbana, com os microlançadores e os microssatélites, com a inovação no desenho e fabricação de estruturas aeronáuticas, com a vigilância marítima, o comando e controlo, a ciberdefesa, sistemas submarinos.

Para Costa Silva, são "projetos mobilizadores, que podem alavancar as competências e a competitividade de várias fileiras da indústria nacional".

O consultor sublinha que o cluster da Degfesa "cria emprego muito qualificado e tem capacidade para potenciar o desenvolvimento de tecnologias e soluções em ligação com outros setores, como a ótica de precisão, o têxtil inteligente, a engenharia aeronáutica e naval".

"Este cluster promove o duplo uso de bens e serviços e contribui para a competitividade e a internacionalização da economia portuguesa. A colaboração com empresas internacionais, como a Embraer e a Airbus potencia a integração das cadeias e sistemas tecnológicos e abre novas perspetivas para produtos de alto valor acrescentado", acrescenta.

No documento, Costa Silva preconiza como "crucial para o futuro" a criação de "um laboratório conjunto para reforçar as redes e as parcerias existentes, visando a internacionalização das empresas e o desenvolvimento das cadeias de valor".

"A execução dos investimentos previstos na Lei de Programação Militar, para construção de 6 novos navios-patrulha oceânicos deve ser fortemente apoiada e é muito importante assegurar a participação dos Estaleiros de Viana do Castelo, aumentando a capacidade produtiva nacional, à semelhança do que fazem outros países europeus", é outra das ideias lançadas por António Costa Silva.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório