Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2020
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

CGTP condena empresas que cortam no emprego e nos direitos laborais

A secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, condenou hoje as empresas que se estão a aproveitar dos efeitos da pandemia para cortar empregos, como a Super Bock, ou retirar direitos aos trabalhadores, como a Dat-Schaub.  

CGTP condena empresas que cortam no emprego e nos direitos laborais
Notícias ao Minuto

19:59 - 07/07/20 por Lusa

Economia Covid-19

Isabel Camarinha esteve hoje em Vila Nova de Gaia, num plenário de trabalhadores da empresa Dat-Schaub, da indústria alimentar, e em Matosinhos, numa reunião com os representantes dos trabalhadores da Super Bock.

"É inaceitável que as empresas se estejam a aproveitar vergonhosamente da pandemia para retirar direitos ou despedir, mas os trabalhadores estão mobilizados e vão reagir", disse à agência Lusa a secretária-geral da CGTP, após os encontros.

Segundo a sindicalista, a empresa de tripas para enchidos Dat-Schaub, com cerca de 400 trabalhadores, maioritariamente mulheres, "está a tentar alterar abusivamente o horário de trabalho, reduzindo a hora de almoço de uma hora para 30 minutos".

Isabel Camarinha afirmou que a Dat-Schaub está a tentar coagir os trabalhadores a aceitar, alegando que a redução da hora de almoço tem a ver com a necessidade de desencontrar as pessoas por questões de segurança sanitária.

"Mas isto não é verdade, porque os trabalhadores já almoçam desencontrados, e tendo em conta que o trabalho nesta fábrica é muito penoso, a hora da refeição é uma oportunidade para descansar", salientou.

De acordo com a líder da CGTP, os trabalhadores estão a ser ameaçados com a antecipação da entrada ao serviço caso não aceitem reduzir a pausa do almoço.

Os representantes sindicais destes trabalhadores vão reunir-se com a administração da empresa e "transmitir-lhe o descontentamento do pessoal e exigir que a redução da hora de almoço só seja aplicada a quem a aceitar de livre vontade, sem quaisquer pressões".   

Na Super Bock, a sindicalista tomou conhecimento de que a empresa, com 800 trabalhadores, de um total de 1.300 no grupo, pretende reduzir os custos salariais em 10% e, por isso, está a propor rescisões por mútuo acordo.

"É inadmissível este despedimento, que pode ir até aos 130 trabalhadores, numa empresa que no ano passado teve elevados lucros e este ano distribuiu dividendos", considerou a secretária-geral da CGTP.

Para Isabel Camarinha, a empresa não pode justificar-se com a crise, pois "tem muito trabalho, recorrendo a trabalhadores temporários e a trabalho extraordinário".

Os representantes destes trabalhadores vão promover um plenário, para que os trabalhadores decidam as formas de luta a desencadear para contestar a decisão da empresa.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 538 mil mortos e infetou mais de 11,64 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Portugal contabiliza pelo menos 1.629 mortos associados à covid-19 em 44.416 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório