Meteorologia

  • 17 ABRIL 2021
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Plano de recuperação deve ter pelo menos de 500 mil milhões em subvenções

Os líderes dos principais grupos políticos do Parlamento Europeu advertiram hoje o Conselho Europeu que se opõem a um plano de recuperação que contemple menos de 500 mil milhões de euros em subvenções, como propôs a Comissão.

Plano de recuperação deve ter pelo menos de 500 mil milhões em subvenções

Numa carta dirigida aos chefes de Estado e de Governo dos 27, na véspera de estes celebrarem uma cimeira por videoconferência para começar a negociar as propostas da Comissão de um Fundo de Recuperação e do próximo orçamento plurianual para 2021-2027, os líderes do Partido Popular Europeu, Socialistas, Renovar a Europa (Liberais), Verdes e Esquerda Unitária exortam o Conselho a alcançar um compromisso ambicioso ainda antes das férias de verão, sustentando que este é também "um teste de confiança popular".

"A última crise deixou um travo amargo na boca de muitos dos nossos cidadãos. Os nossos eleitores dizem-nos que as respostas coletivas que por vezes encontrámos corroeram a confiança na nossa capacidade de agir em conjunto. Desta vez, temos de acertar", avisam.

Referindo-se em concreto à proposta da Comissão Europeia de um Fundo de Recuperação para a Europa superar a crise da covid-19 no montante global de 750 mil milhões de euros, dois terços dos quais em subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões em empréstimos, associado a um Quadro Financeiro Plurianual revisto para 2021-2027, no valor de 1,1 biliões de euros, os parlamentares defendem que este, mais que "um bom ponto de partida", é "o mínimo necessário".

"Mas acreditamos que 500 mil milhões em subvenções é o mínimo necessário para dar uma resposta europeia credível a uma crise tão grave. Nós opomo-nos a qualquer redução", apontam, recordando que, "há um mês, 505 dos 705 membros eleitos do Parlamento Europeu votaram a favor de um pacote de 2 biliões de euros para transformar e mitigar o impacto social e económico da crise", o que, argumentam, é significativo e não pode ser ignorado pelos líderes dos 27.

"Concordarão que uma maioria de dois terços dos membros eleitos, representando o Norte, o Sul, o Leste e o Oeste, é difícil de ignorar", enfatizam.

Outra das principais mensagens que os grandes grupos políticos enviam na carta dirigida aos chefes de Estado e de Governo é a sua defesa intransigente de novos recursos próprios para financiar o plano de recuperação.

"No nosso entender, isso é fundamental. Caso contrário, corremos o risco de transferir o fardo para futuros orçamentos europeus - os próprios orçamentos que supostamente financiam os sonhos das próximas gerações de europeus. Temos de agir como políticos responsáveis: as prioridades da UE não desaparecerão depois dos nossos termos. Precisamos de deixar à futura geração de europeus uma UE resiliente, que prospere de forma sustentável e não deixe ninguém para trás", argumentam.

Apontando que "também a execução de um plano de reembolso é um teste de credibilidade", pois "os mercados obrigacionistas precisam de saber como vão recuperar o seu dinheiro", os eurodeputados defendem que "um plano de reembolso credível só pode ser financiado por novos recursos próprios para o orçamento da UE, tal como prometido pela Comissão Europeia".

"De facto, num orçamento com limites máximos de quanto se pode gastar, a introdução de novos fluxos de receitas a nível da UE é a única forma de diminuir a necessidade de transferências diretas dos tesouros nacionais e, por conseguinte, aliviar a pressão sobre os cidadãos. O dinheiro deve ser encontrado noutro lugar: nos bolsos das grandes plataformas tecnológicas, dos grandes poluidores e dos que fogem aos impostos".

Os líderes das bancadas parlamentares consideram por isso "essencial" que, na cimeira de sexta-feira, que ainda não será a decisiva para 'fechar' um acordo, os líderes concordem desde já "com a própria ideia de introduzir novos recursos próprios" e alertam que "o Parlamento só dará a sua aprovação ao próximo Quadro Financeiro Plurianual se for introduzido um cabaz de novos recursos próprios".

A terminar, os líderes de PPE, S&D, Renovar a Europa, Verdes e GUE dizem aos chefes de Estado e de Governo que "as decisões que tomarem nos próximos meses para enfrentar esta crise terão um impacto a longo prazo" na Europa, apelando por isso ao Conselho Europeu que "ouse fazer mais e se junte ao Parlamento Europeu e à Comissão Europeia no seu compromisso com a União Europeia como um projeto político, mostrando o mesmo nível de ambição".

Os líderes europeus reúnem-se na sexta-feira a partir das 09:00 de Lisboa, mas o próprio presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, já baixou as expectativas ao apontar que este é um primeiro debate de orientação sobre as propostas da Comissão e que será necessário "mais trabalho nas próximas semanas", sendo seu objetivo celebrar em julho uma cimeira já presencial.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório