Meteorologia

  • 13 JULHO 2020
Tempo
30º
MIN 23º MÁX 37º

Edição

Quase metade das ajudas estatais autorizadas por Bruxelas são da Alemanha

Quase metade das ajudas estatais autorizadas pela Comissão Europeia ao abrigo das regras temporárias devido à pandemia de covid-19 foram solicitadas pela Alemanha, enquanto Portugal regista uma quota inferior a 1,5%, num total de dois biliões de euros.

Quase metade das ajudas estatais autorizadas por Bruxelas são da Alemanha
Notícias ao Minuto

18:53 - 25/05/20 por Lusa

Economia Covid-19

"Temos, ao todo, 175 medidas [aprovadas] que totalizam cerca 2,13 biliões de euros", anunciou hoje a vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, falando numa audição na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Divulgando os dados mais recentes sobre estas ajudas estatais, a responsável pela pasta da Concorrência indicou que, deste 'bolo' total, 47% das ajudas estatais foram requeridas pela Alemanha, 18% por Itália, 16% por França e mais de 4% por Espanha.

Por seu lado, o Reino Unido -- parceiro económico da região, embora já não seja Estado-membro -- regista uma quota de quase 4%, enquanto a Bélgica e a Polónia se ficam pelos 2,5%.

Segundo Margrethe Vestager, "o resto dos Estados-membros registam quotas de 1,5% ou inferiores", entre os quais se inclui Portugal, que já avançou com ajudas estatais para áreas como a investigação, as pequenas e médias empresas e a proteção do emprego.

Ainda assim, a vice-presidente do executivo comunitário ressalvou aos eurodeputados que estes são sempre "números estimados", desde logo porque "nem todos os regimes [de auxílios estatais] têm orçamentos determinados".

"Também não se pode assumir que todo este montante está a ser distribuído" às empresas dos Estados-membros, apontou a responsável, numa alusão aos diferentes tipos de ajudas estatais existentes.

Com estas regras mais 'flexíveis' para as ajudas estatais, adotadas devido ao surto de covid-19, "tornaram-se mais evidentes as discrepâncias" entre os apoios que cada país pode prestar às suas economias, admitiu Margrethe Vestager, garantindo porém que Bruxelas está a avaliar eventuais desequilíbrios no mercado interno europeu.

Adotado em meados de março passado, este enquadramento europeu temporário para os auxílios estatais alarga os apoios que os Estados-membros podem prestar às suas economias em altura de crise gerada pela pandemia, em que muitas empresas, especialmente as de pequena e média dimensões, enfrentam problemas de liquidez.

Em causa estão medidas como subvenções diretas ou apoios em benefícios fiscais de até 850 mil euros por empresa, garantias públicas para empréstimos e ainda recapitalizações de companhias, suporte este que deve ser utilizado apenas como último recurso.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou quase 345 mil mortos e infetou mais de 5,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.330 pessoas das 30.788 confirmadas como infetadas, e há 17.822 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório