Meteorologia

  • 31 MAIO 2020
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 29º

Edição

Comissário europeu considera que ideia dos 'eurobonds' se tornou tóxica

O comissário europeu para Orçamento, o austríaco Johannes Hahn, pediu hoje, numa entrevista publicada pela revista alemã "Der Spiegel", mais solidariedade para com o sul da Europa, embora tenha contestado a ideia de criar 'eurobonds' para combater a crise.

Comissário europeu considera que ideia dos 'eurobonds' se tornou tóxica
Notícias ao Minuto

17:41 - 05/04/20 por Lusa

Economia Covid-19

"Sinceramente, acho que, para algumas pessoas, a ideia de [criar] títulos ['bonds'] se tornou tóxica desde a crise do euro", considerou na entrevista, defendendo que os países "não se devem agarrar a conceitos que geram divergências".

Para o comissário, é melhor optar por outras ferramentas.

"Temos de encontrar instrumentos comuns que fortaleçam a resistência dos Estados-membros nas áreas social e económica", acrescentou.

Na segunda-feira passada, a Comissão Europeia admitiu que a emissão de títulos de dívida conjunta ('eurobonds', chamados atualmente de 'coronabonds' por visarem a crise provocada pelo coronavírus) é "uma opção em cima da mesa no quadro da resposta europeia aos choques provocados na economia pela pandemia de covid-19.

No entanto, na sexta-feira, o vice-presidente do executivo comunitário para a Economia, Valdis Dombrovskis, manifestou preferência pelo crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

De acordo com Valdis Dombrovskis, certo é o apoio do executivo comunitário às linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgate permanente da zona euro, que tem uma capacidade de empréstimo de até 410 mil milhões de euros e que pode conceder créditos até 2% do Produto Interno Bruto (PIB) de cada país comunitário afetado pela covid-19.

"Continuamos a trabalhar no apoio [a uma solução] por meio do MEE. Acreditamos que esse mecanismo deveria ser usado nas circunstâncias atuais porque possui o capital desembolsado pelos Estados-membros e capacidade de empréstimo", referiu o comissário europeu.

"E, portanto, devemos usá-lo para financiar os Estados-membros em condições favoráveis", insistiu o político letão.

Na entrevista de hoje à "Der Spiegel", Hahn também defendeu que os Estados do norte da Europa não devem tratar a ajuda a países como a Itália como "esmolas".

"São esses países que tiram vantagem do mercado único. Quando ajudam países como a Itália, não estão a dar uma esmola. Pelo contrário. Estão a trabalhar para o seu próprio interesse", sublinhou.

O comissário do Orçamento disse ainda acreditar que a proposta da presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, de criar um fundo para apoiar a redução das jornadas laborais diárias em toda a Europa será um teste de solidariedade na UE, já que fará aumentar claramente o orçamento europeu".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório