Meteorologia

  • 31 MARçO 2020
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 13º

Edição

Lay-off vai custar mil milhões de euros por mês. E há novidades

O primeiro-ministro, António Costa, revelou que o lay-off vai custar mil milhões de euros aos cofres do Estado.

Lay-off vai custar mil milhões de euros por mês. E há novidades

O lay-off vai custar mil milhões de euros por mês aos cofres do Estado, revelou o primeiro-ministro, António Costa, na segunda-feira em entrevista à TVI. Este regime, sublinhe-se, garante aos trabalhadores o pagamento de pelo menos dois terços do seu salário - e também podem aceder as empresas obrigadas a fechar

Apesar do elevado custo, Costa explica que é "essencial recorrer a esta medida", para que possa ser assegurado o maior número de postos de trabalho possível. 

E há novidades sobre este regime: as empresas que forem obrigadas a encerrar devido ao estado de emergência nacional vão poder ter acesso ao lay-off simplificado, disse o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, no final de uma reunião com os parceiros sociais- 

Siza Vieira adiantou que o Governo deverá rever novamente a portaria publicada recentemente que criou a medida no sentido de a simplificar e clarificar, adiantando que ela implica a suspensão do contrato ou a redução do horário de trabalho, tal como o regime de lay-off geral que está previsto no Código do Trabalho.

O lay-off é um "mecanismo que visa que empresas em determinadas situações possam reduzir o horário de trabalho ou suspender os contratos de trabalho por forma a preservar o emprego", sublinhou o ministro.

Os trabalhadores em lay-off recebem dois terços da remuneração, em que 70% são pagos pela Segurança Social e 30% pela empresa.

Empresas podem recorrer parcialmente ao mecanismo

O ministro da Economia explicou também que as empresas podem recorrer parcialmente a este mecanismo, tal como acontece no regime geral. Ou seja, o lay-off simplificado pode ser aplicado apenas a um determinado número de trabalhadores numa empresa, que recebem dois terços do salário, enquanto outros podem continuar a trabalhar nas condições normais.

Porém, a empresa terá de garantir um dos critérios definidos na portaria: tem de apresentar uma redução de pelo menos 40% da faturação nos últimos 60 dias face ao mesmo período do ano anterior.

Primeiro pagamento chega em abril

O secretário de Estado da Segurança Social, Gabriel Bastos, explicou, por seu lado, que as empresas que aderirem ao lay-off simplificado receberão o primeiro pagamento da Segurança Social apenas em abril.

"Estamos neste momento a ultimar o formulário para requerimento das entidades empregadoras na plataforma 'online' da Segurança Social Direta", disse Gabriel Bastos. Segundo as previsões do secretário de Estado, os pagamentos deverão começar a ser feitos "durante o mês de abril".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório