Meteorologia

  • 01 ABRIL 2020
Tempo
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Propagação de coronavírus pode afundar mais a economia de Angola

A consultora Capital Economics considerou hoje que o impacto negativo do novo coronavírus Covid-19 pode aprofundar as dificuldades económicas de Angola, através de uma descida nas receitas das exportações do petróleo, o principal motor da economia.

Propagação de coronavírus pode afundar mais a economia de Angola
Notícias ao Minuto

16:33 - 27/02/20 por Lusa

Economia Coronavírus

"O impacto negativo do coronavírus na economia de Angola, através de menores receitas de exportação de petróleo, tem o potencial para exacerbar os já de si difíceis problemas económicos", lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso.

Os analistas acrescentam que "a atividade económica em Angola já tem estado lenta nos últimos meses, e os efeitos do coronavírus pode exacerbar os constrangimentos da economia".

A produção de petróleo no país, o segundo maior produtor da África subsaariana, desceu para 1,32 milhões de barris por dia em janeiro, "mas apesar das receitas petrolíferas terem provavelmente aumentado em janeiro, isto dificilmente vai prolongar-se em fevereiro devido à recente descida nos preços do petróleo decorrente dos receios com o coronavírus", apontam os analistas.

Cada descida de 10 dólares no preço custa 5% do Produto Interno Bruto (PIB) em receitas petrolíferas perdidas se a descida do preço se mantivesse durante um ano, escreve a Capital Economics, salientando que a Sonangol até já foi obrigada a vender um carregamento a preço mais baixo "depois de importadores chineses terem cancelado a compra devido ao fecho dos portos".

Sobre a economia não petrolífera, o panorama também não é animador: "As importações caíram pelo quinto mês consecutivo em outubro, apontando para uma procura interna anémica", concluem os analistas.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus Covid-19 é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infetadas, de acordo com dados reportados por 48 países e territórios.

Das pessoas infetadas, mais de 33 mil recuperaram.

Além de 2.744 mortos na China, onde o surto começou no final do ano passado, há registo de vítimas mortais no Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan.

A Organização Mundial de Saúde declarou o surto do Covid-19 como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) registou 25 casos suspeitos de infeção, sete dos quais ainda estavam em estudo na quarta-feira à noite.

Os restantes 18 casos suspeitos não se confirmaram, após testes negativos.

No seu primeiro boletim diário sobre a epidemia, divulgado na quarta-feira, a DGS indicou que, "de acordo com a informação atual, o risco para a saúde pública em Portugal é considerado moderado a elevado".

O único caso conhecido de um português infetado pelo novo vírus é o de um tripulante de um navio de cruzeiros que foi internado num hospital da cidade japonesa de Okazaki, a cerca de 300 quilómetros a sudoeste de Tóquio.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório