Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

Brasileira Petrobras com lucro recorde de 8,5 mil milhões em 2019

A estatal petrolífera brasileira Petrobras registou no ano passado um lucro recorde líquido de 40,1 mil milhões de reais (8,5 mil milhões de euros), o maior da história, anunciou na quarta-feira a companhia.

Brasileira Petrobras com lucro recorde de 8,5 mil milhões em 2019
Notícias ao Minuto

06:19 - 20/02/20 por Lusa

Economia Petrobras

"As nossas atividades geraram em 2019 lucro líquido contábil de 40 mil milhões de reais, o maior da história da Petrobras, mesmo diante da queda dos preços médios do petróleo (...). Pagamos aos Governos em 'royalties', impostos e bónus de assinatura o valor total de 246 mil milhões de reais (52 mil milhões de euros), também recorde histórico, e que consolida a posição da companhia como maior contribuinte do Brasil", indicou a Petrobras em comunicado.

O lucro de 40,1 mil milhões de reais registado no ano passado representa ainda um crescimento de 55,7% comparativamente a 2018.

Já o lucro registado no quarto trimestre de 2019 foi de 8,153 mil milhões de reais (cerca de 1,7 mil milhões de euros), valor 287,8% superior ao mesmo período de 2018, de acordo com o mesmo comunicado enviado aos acionistas.

Até agora, o melhor resultado da Petrobras tinha sido registado em 2010, com lucro de 35,2 mil milhões de reais (7,5 mil milhões de euros).

Um dos fatores que ajudou a companhia a registar o lucro recorde foram os desinvestimentos. Em 2019, a Petrobras desfez-se de uma série de ativos, como a venda da ex-subsidiária BR Distribuidora e de campos de petróleo.

Além disso, a Petrobras atribuiu ainda os bons resultados à alta produção média de petróleo e gás natural, ultrapassando, pela primeira vez, a barreira de três milhões de barris de por dia.

Os bons resultados da Petrobras foram anunciados quando os trabalhadores da empresa estão em greve há 19 dias.

O despedimento de cerca de mil funcionários da fábrica de fertilizantes do Paraná Araucária Nitrogenados (Ansa), uma das subsidiárias da Petrobras, é um dos principais motivos da paralisação.

Para justificar os despedimentos, a Petrobras afirmou, em comunicado, que a matéria-prima da fábrica estava mais cara do que o produto final, e que a unidade do Paraná acumulava prejuízos desde 2013, data em que foi adquirida.

Na terça-feira, um tribunal regional de trabalho determinou que a petrolífera estatal suspenda a demissão dos trabalhadores. Em contrapartida, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Estado do Paraná (Sindiquímica-PR), comprometeu-se a pôr fim aos protestos em frente à fábrica, assim como a pedir o fim da greve.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório