Meteorologia

  • 28 MAIO 2020
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 34º

Edição

BdP garante que instaurou contraordenações a bancos angolanos

"Todas as medidas que foram propostas pelas equipas técnicas do Banco de Portugal foram integralmente adotadas pela administração" no âmbito de uma inspeção, entre 2015 e 2016, a três bancos angolanos, designadamente o BIC, BNI e BPA.

BdP garante que instaurou contraordenações a bancos angolanos

O Banco de Portugal (BdP) garantiu, esta segunda-feira em comunicado, que instaurou todos os processos de contraordenação por infrações que tenham sido identificas pelas respetivas equipas inspetivas, após uma inspeção realizada entre 2015 e 2016 a vários bancos angolanos que operam no mercado português. 

"Na verdade, e tal como a lei determina, o Banco de Portugal instaurou processos de contraordenação, que se encontram em tramitação, com vista a apurar e a demonstrar probatoriamente, salvaguardando os legítimos direitos dos arguidos, se as situações identificadas são, ou não, suscetíveis de gerar responsabilidade contraordenacional", lê-se na nota divulgada hoje pelo regulador e supervisor bancário.

Este esclarecimento surge no seguimento de uma reportagem da SIC Notícias, divulgada esta segunda-feira, na qual dá conta de que o banco liderado por Carlos Costa, nos últimos cinco anos, identificou os riscos que três bancos angolanos com filiais em Portugal corriam em termos de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. Em causa estavam o BIC, BNI e BPA, sendo que, nos três casos, os mecanismos de controlo eram escassos ou inexistentes. 

"No contexto das inspeções - atrás referidas - foram identificadas um conjunto de desconformidades dos sistemas implementados por estas instituições face ao quadro legal e regulamentar vigente e, nessa medida, foram tomadas um conjunto muito significativo de medidas" de carácter corretivo, substitutivo, e sancionatório", assegura o BdP, acrescentando que "nos casos em apreço, todas as medidas que foram propostas pelas equipas técnicas do Banco de Portugal foram integralmente adotadas pelo Conselho de Administração do Banco de Portugal". 

Na mesma nota, o BdP argumenta que são falsas "as afirmações contidas na referida reportagem de que o Banco de Portugal deixou de instaurar qualquer processo de contraordenação por infrações que tenham sido identificas pelas respetivas equipas inspetivas". 

O BdP adianta também que os referidos processos de contraordenação encontram-se "em tramitação, com vista a apurar e a demonstrar probatoriamente, salvaguardando os legítimos direitos dos arguidos, se as situações identificadas são, ou não, suscetíveis de gerar responsabilidade contraordenacional".

O regulador e supervisor bancário afirma ainda que, desde 2018, apenas na supervisão preventiva de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, fez 32 inspeções, emitiu mais de 500 novas medidas e apreciou cerca de 800 medidas decorrentes de inspeções anteriores.

"No mesmo período, o Banco de Portugal instaurou 228 e concluiu 312 processos de contraordenação, incluindo vários por violação das normas relativas à prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo", concluiu.

Na semana passada, o consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) revelou mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de 'Luanda Leaks', que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos (filha do ex-Presidente de Angola Eduardo dos Santos) e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

De acordo com a investigação do consórcio, do qual fazem parte o Expresso e a SIC, Isabel dos Santos terá montado um esquema de ocultação que lhe permitiu desviar mais de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) para uma empresa sediada no Dubai e que tinha como única acionista declarada Paula Oliveira.

A investigação revelou ainda que, em menos de 24 horas, a conta da Sonangol no EuroBic Lisboa, banco de que Isabel dos Santos é a principal acionista, foi esvaziada e ficou com saldo negativo no dia seguinte à demissão da empresária da petrolífera angolana.

EuroBic anunciou, na semana passada, que cortou relações comerciais com Isabel dos Santos, que a empresária vai abandonar a estrutura acionista e deixar de exercer os direitos de voto associados à sua participação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório