Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2020
Tempo
MIN 7º MÁX 19º

Edição

Governo e parceiros sociais voltam a discutir hoje acordo de rendimentos

O Governo e os parceiros sociais voltam hoje a reunir-se para discutir o acordo de médio prazo sobre competitividade e rendimentos, com a maioria dos parceiros a não concordar com um referencial de aumentos salariais para o privado.

Governo e parceiros sociais voltam a discutir hoje acordo de rendimentos
Notícias ao Minuto

06:12 - 28/01/20 por Lusa

Economia Rendimentos

Esta é a terceira reunião na Concertação Social sobre o acordo de médio prazo, uma discussão que arrancou em 27 de novembro e na qual o Governo traçou desde logo como objetivo aumentos salariais no privado superiores à soma da inflação e da produtividade nos próximos quatro anos, apontando para 2,7% em 2020, 2,9% para 2021 e 2022 e 3,2% para 2023.

A maioria dos parceiros sociais manifestou-se de imediato contra o referencial de aumentos indicado pelo Governo, defendendo que esta é uma matéria da negociação coletiva.

Já na segunda reunião, em 9 de dezembro, estiveram em cima da mesa as propostas das centrais sindicais e das quatro confederações patronais, com estas últimas a avançarem com medidas fiscais como o alargamento do universo das Pequenas e Médias Empresas (PME) que beneficiam da taxa reduzida de 17% de IRC ou a redução das tributações autónomas.

O Governo acabou por incluir estas medidas na proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE202), mas num formato que confederações patronais consideraram insuficiente.

Do lado das centrais sindicais, o líder da CGTP, Arménio Carlos, considerou que houve "subversão do discurso" e que o Governo apenas está a olhar para os empresários e para o financiamento das empresas, quando deveria "tratar do aumento dos salários".

"Há muitas medidas para a parte patronal", disse o secretário-geral da CGTP.

Também o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, falou em "desilusão" e defendeu que não poderão ser só as empresas a ser beneficiadas.

"O Governo está mais preocupado em pôr a economia à frente do social", esquecendo-se de que os rendimentos da classe média precisam de crescer, lamentou Carlos Silva.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório