Meteorologia

  • 18 FEVEREIRO 2020
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Nova injeção no Novo Banco? "Não tenho nenhuma proposta nesse sentido"

O ministro das Finanças disse hoje que o Governo não está a avaliar uma injeção no Novo Banco superior à prevista no Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), mas indicou que, se houvesse uma proposta, "estaria a considerá-la".

Nova injeção no Novo Banco? "Não tenho nenhuma proposta nesse sentido"

"<span class="news_bold">Não tenho nenhuma proposta que indique nesse sentido. Se tivesse, estaria a considerá-la no Orçamento do Estado para 2020. O Governo não a tem e, portanto, não posso fazer conjeturas sobre o futuro", declarou Mário Centeno, que também é presidente do Eurogrupo, à entrada da reunião dos ministros das Finanças da zona euro, em Bruxelas.

E assegurou: "A única conjetura que faço sobre o futuro e que tenho garantias de cumprir é que o OE2020 vai ser cumprido".

Mário Centeno insistiu que "o orçamento foi pensado no quadro regulamentar que existe e é esse quadro regulamentar que vai ser cumprido".

Ainda assim, realçou que estas injeções de capital no Novo Banco "são importantes para país na visão da estabilização do sistema financeiro".

"Esse tem sido o esforço que temos feito e com enorme sucesso porque é essa estabilização do sistema financeiro que tem permitido também trazer estabilidade ao financiamento de Portugal, não só do Estado e da administração pública, mas também das famílias e das empresas, num contexto que não existia há quatro anos", defendeu Mário Centeno.

O governante português recordou ainda que o executivo tem um "contrato de financiamento com o Fundo de Resolução, que está a ser cumprido".

"Temos seguido atentamente, ano após ano, a evolução deste processo" e "é importante que essa estratégia seja mantida e que o grau de exigência que é preciso ter com todos estes processos também seja garantido", adiantou Mário Centeno.

O Governo estima que a recapitalização do Novo Banco pelo Fundo de Resolução seja de 600 milhões de euros em 2020, segundo a proposta de OE2020.

No âmbito da venda de 75% do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star, em 2017, o Estado fez um acordo que prevê a recapitalização do banco pelo Fundo de Resolução (entidade da esfera do Estado) para cobrir falhas no capital geradas pelos ativos tóxicos com que o Novo Banco ficou do BES (crédito malparado ou imóveis).

No total, segundo esse acordo, o Fundo de Resolução bancário pode injetar 3,89 mil milhões de euros no Novo Banco até 2026.

Referentes a 2017 e 2018, o Novo Banco já recebeu 1.941 milhões de euros, sendo que o valor a injetar relativo a este ano terá ainda de ser apurado após fechadas as contas do banco de 2019.

No final da semana passada, o jornal Público noticiou que o executivo está a estudar, com o Lone Star, uma forma de acelerar o processo, injetando de uma só vez em 2020 -- e de forma única -- cerca de 1,4 mil milhões de euros.

Segundo o Público, isso permitiria concluir o processo de recapitalização pública antes do tempo previsto e abaixo do valor definido na venda, que era 3,89 mil milhões de euros.

Para injetar dinheiro no Novo Banco, o Fundo de Resolução (que é financiado pelos bancos que operam em Portugal, apesar de consolidar nas contas públicas) tem recorrido a empréstimos do Tesouro, uma vez que não tem dinheiro suficiente, no máximo de 850 milhões de euros por ano.

Na proposta do OE2020, apesar de o Governo prever a recapitalização de 600 milhões de euros no Novo Banco, mantém o valor de 850 milhões de euros de empréstimos de médio e longo prazo ao Fundo de Resolução.

O OE2020 está hoje em foco na reunião do Eurogrupo à luz do recente parecer da Comissão Europeia, segundo o qual o mesmo apresenta risco de incumprimento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório