Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2020
Tempo
MIN 5º MÁX 11º

Edição

Trabalhadores do setor da alimentação dos Hospitais de Coimbra em greve

Os trabalhadores do setor de alimentação dos Hospitais da Universidade de Coimbra afetos ao Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) estiveram hoje em greve para reivindicar melhores salários e redução do horário de trabalho.

Trabalhadores do setor da alimentação dos Hospitais de Coimbra em greve
Notícias ao Minuto

16:39 - 16/01/20 por Lusa

Economia Greve

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical António Baião disse que somente 30% dos trabalhadores dos 170 escalados para o serviço de hoje estiveram a trabalhar para assegurar os serviços mínimos.

"Fizemos uma proposta de aumento salarial de 90 euros acima dos salários base, que ainda não tem resposta, embora no dia 22 [de janeiro] haja uma reunião com a empresa", referiu o sindicalista.

Os trabalhadores pretendem também que o horário de trabalho seja reduzido faseadamente das 40 para as 35 horas semanais e que seja reconhecida a sua "antiguidade e saber".

Na sexta-feira, além dos trabalhadores do setor da alimentação, também os da lavandaria e resíduos de todas as unidades do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), do IPO e do Hospital Sobral Cid vão estar em greve pelos mesmos motivos.

Todos estes trabalhadores, que no total são cerca de 800, vão concentrar-se em frente à entrada principal dos Hospitais da Universidade de Coimbra e deslocar-se, em cordão humano, até à Praça 08 de maio, onde contam ser recebidos pelo presidente da Câmara Municipal.

"Queremos dar visibilidade ao protesto, que é em nosso benefício, mas também da população, que terá serviços de melhor qualidade", frisou António Baião.

No caderno reivindicativo, António Baião salienta ainda a necessidade da administração central repor o número de trabalhadores necessários à prestação de serviços de qualidade aos utentes.

Segundo o dirigente sindical, os setores da alimentação, lavandaria e resíduos estão com dificuldades em recrutar trabalhadores devido aos salários baixos e ao facto de laborarem aos fins de semana e feriados.

Por outro lado, acrescentou, é necessário também que a administração central invista nas instalações e equipamentos que estão "um caos, face ao desinvestimento dos últimos anos".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório