Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2020
Tempo
MIN 5º MÁX 11º

Edição

Imóveis abaixo do preço? Medina ataca relatório do TdC, "é inaceitável"

O presidente da Câmara de Lisboa não poupa críticas ao relatório do Tribunal de Contas, divulgado no final de quarta-feira, sobre os imóveis que a Câmara de Lisboa comprou à Segurança Social.

Imóveis abaixo do preço? Medina ataca relatório do TdC, "é inaceitável"

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, teceu várias críticas ao relatório do Tribunal de Contas (TdC), divulgado na quarta-feira, que diz que a Segurança Social vendeu imóveis à CML por um preço abaixo do valor de mercado. Medina diz que há "pronunciamentos de natureza política" no relatório, o que é "absolutamente inaceitável". 

"O TdC deu um visto favorável à compra de 11 imóveis da Segurança Social pela Câmara de Lisboa e uns meses depois, através de uma outra secção, vem tecer fortíssimas críticas à operação. Isto é de todos os títulos lamentável. E na base em que o faz é um relatório tecnicamente incompetente", disse o presidente da CML, em declarações aos jornalistas. 

Em causa, sublinhe-se, está uma análise do TdC que revelou que o preço de venda de 11 imóveis da Segurança Social à Câmara de Lisboa para arrendamento acessível, acordado em 2018, por 57,2 milhões, é inferior em 3,5 milhões ao valor de mercado.

"Acho que 50 milhões é um valor muito significativo, é o valor das avaliações (...) as únicas pessoas que não percebem isto são as que escreveram o relatório", apontou o presidente da CML

Também o Ministério do Trabalho e da Segurança Social garantiu, no seguimento do relatório, que a venda destes imóveis "foi feita a valores de mercado" e na sequência de quatro avaliações externas.

Segundo o TdC, as condições acordadas para o arrendamento, com opção de compra, dos 11 imóveis da Segurança Social pelo município "não asseguraram, com elevado grau de verosimilhança, a receita expectável para a Segurança Social".

Segundo o TdC, o memorando assinado em julho de 2018 entre o município e o anterior ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, "privilegiou a prossecução de uma política de arrendamento acessível em Lisboa em detrimento da receita e consequente sustentabilidade da Segurança Social".

Contudo, o valor fixado para a venda dos imóveis, de 57,2 milhões de euros, "é inferior em cerca de 3,5 milhões ao valor de mercado das avaliações contratadas" pelo IGFSS, de 60,7 milhões.

Leia Também: PS quer Seg Social do Porto envolvida nas políticas públicas de habitação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório