Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2020
Tempo
11º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Conflitualidade laboral vai aumentar em 2020, diz Ana Avoila

A sindicalista Ana Avoila prevê que 2020 vá ser um ano difícil para os funcionários públicos, com um programa do Governo que lhes agrava mais os problemas, o que irá aumentar a conflitualidade laboral, que começa já no dia 31.

Conflitualidade laboral vai aumentar em 2020, diz Ana Avoila
Notícias ao Minuto

06:41 - 16/01/20 por Lusa

Economia Ana Avoila

"Acho que o ano de 2020 vai ser um ano de muita conflitualidade laboral. (...) O que está no programa do Governo vai agravar os problemas dos trabalhadores, em vez de os resolver. Não vai ser um ano fácil", disse a coordenadora da Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSFP), Ana Avoila, em entrevista à agência Lusa.

Ana Avoila lembrou, a propósito, que o Governo quer negociar com os sindicatos da administração pública um plano estratégico que contém medidas que os sindicatos consideram inaceitáveis.

"Mas, os trabalhadores da administração pública já perceberam que é preciso lutar, nomeadamente por melhores salários", afirmou a sindicalista, reafirmando que a FNSFP reivindica aumentos de 90 euros por trabalhador.

Este é o aumento salarial que a CGTP defende para os setores público e privado.

"Este aumento é necessário porque não podemos continuar a viver num país, que apesar de estar na União Europeia, continua a ter salários muito baixos e impostos sobre o rendimento do trabalho elevadíssimos", defendeu Ana Avoila.

Segundo a sindicalista, para haver de facto uma aproximação às condições de vida da União Europeia, "tem que haver um paradigma diferente".

"Não vale a pena dizer que não há dinheiro", disse, acrescentando que o Governo destinou este ano 70 milhões de euros para aumentos salariais na função pública, mas destinou 120 milhões de euros para aquisições, ou seja para pagar a advogados externos, projetos técnicos ou secretárias dos gabinetes", disse.

Na sua opinião, os aumentos salariais de 0,3% propostos pelo Governo para a administração Pública, ou mesmo que venham a ser acima, não resolvem nada, nem tão pouco uma subida dos salários mais baixos, o que cria muitas injustiças e distorções.

"Por isso, as lutas são necessárias", defendeu.

Para Ana Avoila, a manifestação nacional que está marcada para 31 de janeiro, com emissão de pré-aviso de greve para possibilitar a deslocação dos trabalhadores a Lisboa, mostra já a predisposição dos trabalhadores para combater as propostas do Governo socialista.

"A luta do dia 31 não é um pontapé de saída, é uma marca, porque estamos convencidos que vai ter muitos milhares de trabalhadores, e é um sinal para quem quiser ver", afirmou a sindicalista, recomendando sensatez ao Governo de António Costa.

Aos sindicatos da administração pública recomendou que continuem a apostar na organização e na "forte ligação aos trabalhadores", nos seus locais de trabalho, para melhor responderem aos desafios futuros.

"É impensável que o movimento sindical não esteja organizado para enfrentar o que aí vem, sem organização não se consegue nada", considerou, defendendo que os trabalhadores e os seus sindicatos têm de se organizar para evitar que o Governo consiga dar "mais um passo contra os trabalhadores".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório